fbpx

Plano da Spotify para vencer a Apple: conquistar assinantes no resto do mundo.

Daniel Ek

Investidores esperam que o serviço de streaming reproduza o sucesso da América Latina em outros mercados mais difíceis.

Há três anos, Danny Ocean, um venezuelano alegre de cabelo despenteado e uma voz sedosa e aveludada, se mudou para Miami para começar uma vida nova. Ele descolou um emprego numa pizzaria, mas sentiu muita falta da namorada que havia deixado pra trás. Como um presente de dia dos namorados, ele escreveu uma música em seu quarto para ela, cantando melancolicamente sobre uma levada de sintetizadores. Ele fez upload da música que entitulou de “Me Rehúso” no Youtube e no Spotify. A música começou a puxar para cima os gráficos de viralização na Colombia, Chile e Peru, o que chamou atenção da curadoria da Spotify – os funcionários que monitoram minuto a minuto os dados de audição. Eles unanimemente decidiram adicionar a canção a suas playlists, como “Verano Forever”, onde usuários do Spotify começaram a circulá-lá também. Semana a semana, Spotify foi incluindo a música em novas playlists, cada uma com mais seguidores, até que dois meses depois a música já tinha conquistado o “santo graal” – “Viva Latino!” – que foi o golpe final para sua catapulta ao estrelato. Em menos de um ano e com apenas uma canção lançada,  Ocean estabeleceu uma guerra de negociação com as maiores gravadoras do mundo, antes mesmo de assinar um excelente contrato de gravação com a Warner Music. O skatista magricela de 26 anos rapidamente se tornou o novo rei do reggaeton, o gênero popular que combina música latina com hip-hop.

Contos de fada como este tem circulado na internet por um bom tempo. Justin Bieber foi descoberto no Youtube há uma década. Mas num negócio atualmente dominado somente pelo streaming, a América Latina vive um momento especial. Em 2017, a receita da música cresceu na região mais  do que em qualquer outro lugar, com uma população jovem e esperta consumindo streaming aos bilhões, levando a Rolling Stone a declarar que foi o ano da decolagem do pop latino americano. Além dos “Danny Oceans” do mundo, poucos poderiam estar mais felizes quanto à sinergia entre streaming de música e a América Latina do que o Spotify, cujo preço das ações e, potencialmente o futuro, dependem de repetir o mesmo truque em novos mercados.

Spotify precisa continuar adicionando assinantes para deixar Wall Street feliz enquanto batalha contra a Apple, uma das companhias mais ricas do mundo, na disputa de como o mundo ouve música. Há um montante finito de vinte e poucos afluentes nas cidades do oeste que pagariam US 10$ por seus serviços. Entretanto, após crescer feito mola na Europa e nos US, investidores estão apostando que Spotify pode obter centenas de milhões de assinantes em regiões que a companhia sueca grosseiramente chama de “resto do mundo”.  Até o momento, a América Latina é o único mercado emergente onde o modelo do Spotify funcionou de forma expressiva – um fenômeno que surpreendeu os executivos de mais alto nível há seis anos atrás, quando entrou no México.  Spotify se tornou o principal serviço pago de streaming na América Latina com mínimo esforço. Até hoje menos de uma dúzia de funcionários trabalhando num escritório em Miami tocam a operação de todo continente. “Ninguém nunca esperou que fosse assim, e nem tínhamos os recursos para isso. O Chile é agora o mercado que mais cresce, e nunca sequer enviamos um funcionário até lá”, disse Will Page, Diretor de Economia da Spotify, que espera que o Brasil e o México superem UK e Alemanha em assinaturas. Entusiasmado com os resultados da América Latina, o fundador Daniel Ek está convencido que pode replicar o modelo ao redor do mundo. Ao palestrar para investidores sobre Spotify antes de tornar-se pública em Abril, Ek destacou os bilhões de smartphones ao redor do mundo que ainda não usam seu app de música. “Estamos trabalhando para lançar o serviço em alguns dos maiores mercados do mundo, lugares como Índia, Rússia e África”, ele disse. Spotify já fez avanços: em Novembro debutou no Oriente Médio, enquanto no ano passado entrou na África do Sul, Israel, Vietnam e Romênia. Navegando pelo app do Spotify, usuários agora veem gêneros como “Arab” e “Afro”, próximo a “Party” e “Sleep”.

Wall Street comprou a idéia, com um debut bem sucedido no mercado de ações e previsões otimistas para o futuro. Ao redor do mundo, excluindo a China, estimados 6% das pessoas com smartphones com dispositivos de pagamento pagam pelo Spotify, e Morgan Stanley prevê que este percentual dobre nos próximos cinco anos para 220 milhões de assinantes. Em 2023, o banco espera que Spotify tenha 53 milhões de assinantes na Ásia, Oriente Médio e África, comparados com apenas 11 milhões em 2018.  Mas esse entusiasmo inicial tem esfriado e dúvidas começam a surgir. Após subir nos primeiros três meses como uma empresa pública, as ações da Spotify foram enevoadas por um conjunto de ações de tecnologia, caindo abaixo do seu valor de abertura no NYSE. “Investidores ficaram incrivelmente nervosos”, disseram os analistas da Morgan Stanley em Outubro, citando a falta de novos mercados (Índia e Russia). Nos EUA, o maior mercado de música, Apple recentemente tirou a Spotify do trono ao se tornar o serviço de streaming pago mais popular. A Spotify atingiu um marco na aceleração desse quesito quanto a domínio global: India. O país se tornou uma moeda de troca na competição entre a empresa de tecnologia e a indústria de música. Após meses de conversa, as grandes gravadoras que controlam o negócio da música ainda não deram ao Spotify a luz verde para licenciar suas músicas no país, de acordo com pessoas familiarizadas com as negociações. “Agora eles são uma empresa pública e realmente precisam crescer”, diz um executivo sênior de uma grande gravadora. “É nossa grande oportunidade de alavancagem”. Quando consultado sobre o que fizeram para conquistar a América Latina, os executivos do Spotify encolheram os ombros: “Nós de fato não fizemos muita coisa”, disse Page. “Quando Spotify entrou no México há seis anos, era apenas uma startup inicial, com um departamento precário de RH”, ele disse. “Tínhamos uma mulher, sem escritório, voando pelo continente, literalmente. Nós estávamos improvisando”. Sendo economista de dia e DJ à noite, Page dá sua interpretação do que aconteceu. Primeiro, o licenciamento era fácil porque a América Latina ainda estava sob a ameaça da pirataria, o que significa que as gravadoras estavam dispostas a fazerem acordos. Nos EUA, a loja da iTunes tinha ajudado a combater a pirataria, mas no México a máfia da pirataria ainda estava prosperando. Executivos da música em lugares como Canadá e Japão hesitavam em confiar no Spotify, resultando em anos de negociações meticulosas para lançar nesses países.

Porém no México “nós literalmente aceitamos a grana”, diz um dos executivos mexicanos que esteve envolvido nas conversas sobre licenciamento à época. “Naquele ponto nós estávamos muito felizes conseguindo US 50.000 num contrato”, diz o executivo. “Então de repente uma empresa nos oferece US 2Milhões, e nós não tínhamos nenhuma experiência com Spotify até então, e aceitamos o dinheiro”.

Isso estabelecido, Spotify lançou no México em 2013, e no Brasil um ano depois. Estava disponível em toda América Latina antes de entrar no Canadá. A empresa encontrou bons ventos em sua navegação: metade da população da América Latina tem menos de 30 anos, o que é o público alvo exato do Spotify; a classe média estava crescendo, então havia mais gente capaz de pagar a tarifa; e o mercado latino é orientado a rádio, o que conduziu muito bem ao estilo do Spotify de inundar usuários com playlists e músicas sugeridas. Mas principalmente, executivos e analistas atribuem o sucesso ao boca a boca e aos patrocínios. “Eles estabeleceram a marca Spotify como uma marca premium a se desejarr”, diz Mark Mulligan, um analista da Midia Research. “Esse crescimento se deve muito a isso… fizeram algum marketing, mas não tão agressivo”. Spotify baixou os preços na região: a assinatura no México custa 99 pesos, cerca de US 5$/mês, metade da tarifa nos EUA.  Enquanto muitos jovens mexicanos relutavam a pagar US 15 a 20 por um CD, estavam dispostos a pagar essa taxa para ter acesso a 30 milhões de músicas. Os resultados foram tanto rápidos quanto dramáticos. “A cada trimestre ao receber os relatórios da Spotify, a base de assinantes crescia assustadoramente”, diz Kervin Dockendorf, que trabalhou para uma editora no México na mesma época. “Deezer já estava lá, Rdio também, mas Spotify destruiu todos”. Spotify tinha 64,1% do mercado mexicano de streaming em 2016, muito a frente da Google, com 12.3%, e da Apple com 8.1%, segundo a Competitive Intelligence Unit.

Mia Nygren mudou-se em 2014 da matriz do Spotify em Estocolmo para São Paulo. “Me pareceu que tudo aqui era um tipo de preparação para as coisas funcionarem”, diz a sueca. “As pessoas conheciam. Foi uma mensagem fácil”. Enquanto os CDs eram restritos por geografia – tinham que ser prensados e distribuídos nas lojas físicas e virtuais – qualquer um com um plano de dados pode participar na indústria de música mundial. Só de absorver o grupo inicial de pessoas em países populosos como Brasil e México, com boa renda, com cartão de crédito e que já tinha ouvido falar do Spotify, foi suficiente para gerar uma base de usuários comparável com a de países pequenos da Europa. A Cidade do México cresceu a ponto de ser a maior base de ouvintes do Spotify, a frente de Nova York e Londres. Para algumas grandes estrelas do Ocidente como Adele e Radiohead, a Cidade do Mexico é seu mercado número 1 no Spotify.

O departamento de marketing da Spotify categoriza pessoas em categorias com nomes de jargões da indústria, como “usuários top”, “primeiros a adotarem”, “atrasados”, “oportunistas”. Para países como México, eles conquistaram dezenas de milhões de “primeiros a adotarem”, sem gastarem muito dinheiro para isso. Somente 90 funcionários Spotify entre 3.500 trabalham na divisão da América Latina, embora a região responda por um quinto de sua base de clientes. Spotify está considerando  aportar mais peso e dinheiro nessa empreitada. Numa recente apresentação interna sobre a América Latina, uma seção foi dedicada à questão: construímos um castelo, precisamos de um fosso? “Netflix e Spotify encaram um desafio de globalização similar, mas é muito mais barato e rápido criar uma playlist do que roteiros de séries dramáticas”, diz Mulligan.  “Você pode programar playlists para o Brasil facilmente, com um time de especialistas que entendam de  Brasil, em qualquer lugar do mundo”.

A pergunta de US 20 bilhões – atual valor de mercado da Spotify – é se isto pode ser reproduzido no “Resto do Mundo”. Spotify argumenta que sim. Países como África do Sul, indonésia e Coreia do Sul também tem consumidores jovens espertos ansiosos pelo Spotify. As marés da mídia e da cultura pop são lentas mas claramente vão na direção do Leste. Em novembro, o canal mais popular do Youtube foi o selo indiano T-Series.  Netflix lançou uma série “noir” de televisão em Mombai e o CEO Reed Hasting  diz que os próximos 100 milhões de assinantes virão da Índia. A Universal Music, a maior gravadora do mundo, lar de Taylor Swift e Drake, fez um forte movimento em Novembro na direção da África. Há desafios locais que tornaram a Índia um mercado difícil para as companhias do leste, de Amazon a Walmart. Na Índia, Spotify competiria com Apple, Amazon e Youtube. Além de empresas locais como Hungama, Gaana e Saavn. Nenhum desses serviços teve sucesso em convencer as pessoas a pagarem uma taxa para ouvir música na Índia. Embora 216 milhões de pessoas estivessem usando serviços de streaming no país ao final de 2017, somente 1milhão pagava por eles, de acordo com Midia.

Por outro lado, Spotify dispõe de uma infraestrutura questionável ,  enfrenta pirataria desenfreada e rivais poderosos como Anghami no Oriente Médio. Há previsões de surgimento de estratégias de negociação na Índia. As negociações de licenciamento do Spotify chegaram a um impasse pelo fato das grandes gravadoras voltaram atrás quanto ao pedido da Spotify para oferecer uso gratuito por alguns meses no país, de acordo com pessoas envolvidas nas conversas. Na China, Spotify ano passado trocou participações acionárias com a Tencent Music para ganhar uma posição no mercado de rápido crescimento.  Os riscos para   Spotify são altos. Se Ek acertar, o serviço poderá ganhar centenas de milhões de novos clientes. Se falhar, seu oponente com base em Cupertino já está presente em mais de cem países e estará atento para aumentar a influência do iPhone. Aparentemente a Apple percebeu o boom da música latina – em Outubro lançou uma playlist latina, !Dale Play!, no seu serviço de streaming. Spotify continuará mapeando a cultura da música enquanto tenta ganhar assinantes. A influência cultural dá ao Spotify a capacidade de criar estrelas por si só. Alguns anos atrás, Danny Ocean teria uma chance em um milhão. Inigo Zabala, CEO da Warner Music América Latina que o contratou, esbarrou nele antes de ser popular enquanto navegava pelo Spotify. Ele abriu o Youtube em seu computador no escritório de Miami para confirmar um veredito de “Me Rehúso” e viu mais de 1.2 Bilhões de views. “A música latina sempre esteve por aí, mas agora o mundo do streaming tornou-a global”, diz Zabala. “A cada dois anos, tínhamos um hit latino.  Do Buena Vista Social Club ao Gypsy Kings, de  Macarena a Ricky Martin.  Mas eles eram completamente randômicos”, ele diz. “ Agora, estamos pensando em hits globais e eles não são randômicos. Eles fazem parte do plano”.

CEO Alison Wenham se desliga da WIN

Londres, 13 de Dezembro de 2018 – Após doze anos no comando da Worldwide Independent Network (WIN), o forum global para indústria da música independente profissional, Alison Wenham se desliga como CEO da organização.

Antes de se juntar à WIN em tempo integral, em 2016, Alison era CEO da AIM – Association of Independent Music , organização que ela iniciou em 1999, em resposta aos desafios de negócio e de acesso ao mercado, encarados pelo setor independente em nível global.

A WIN também foi fundada sob a liderança da Alison como uma rede global informal em 2006 em resposta às ameaças e oportunidades globais. Através da WIN e com a MERLIN, o valor dos direitos independentes ao redor do mundo tem sido firme e definitivamente estabelecido. O setor também se beneficiou da Declaração dos Acordos Digitais Justos em 2014, que se tornou o padrão de ouro para acordos justos com artistas.

Durante o tempo da Alison como CEO da WIN, a organização cumpriu um papel central de reunir inteligência para que seus membros tenham uma visão global das principais questões que afetam o setor independente,  e de assegurar que os desafios sejam antecipados e  confrontados antes de se tornarem um problema.

O relatório anual WINTEL, encomendado pela WIN, agora em seu terceiro ano, mapeia a participação do mercado global e se tornou a avaliação mais precisa da saúde e do crescimento contínuos do setor independente.

A WIN tem também feito a interlocução com sociedades de gestão coletiva ao redor do mundo e continua a pressionar para que o setor independente seja formalmente representado na governança destas sociedades arrecadadoras, ao mesmo tempo em que monitora sua eficiência e transparência.

A WIN continuará a confrontar e lutar contra os abusos em todo o mundo, buscando manter um nível comercial de boas práticas enquanto previne as grandes corporações de criar ambientes anti-competitivos.

Alison Wenham disse: “Foi um prazer e um privilégio dedicar duas décadas da minha vida e da minha carreira para ajudar a garantir estabilidade e crescimento contínuo para o setor da música independente. Desde que lancei a AIM em 1999, tenho estado ombro a ombro com amigos e colegas incríveis, e juntos estabelecemos,e em seguida entregamos uma nova era de respeito ao papel e à importância do setor independente. Mudamos atitudes em relação ao setor em nível global e garantimos o reconhecimento dos direitos da música independente, agora reconhecidos e valorizados. Estou imensamente orgulhosa de tudo que conquistamos nesse período e a música independente seguirá sendo minha paixão. Decidi, no entando, que o momento é agora, com a organização em boa saúde, para me desligar da minha posição na WIN. Quero agradecer a todos com quem trabalhei ao longo desses anos por seu incrível suporte.”

Martin Mills, atual Chairman da WIN Chairman, disse: “Alison tem sido uma força da natureza para todos nós, e um fator central no fato dos independentes poderem competir globalmente com companias muito maiores em tamanho. À medida que ela segue seu rumo, ela nos deixa fortes e prósperos, aspirando a temporadas frutíferas. Por essa razão somos eternamente gratos a ela.”


Para mais informações:
Andy Saunders | Velocity Communications
Tel: 0207 060 9111
Mob: 07939 133050

Depoimento de Arthur Maia sobre Produção Musical.

O músico Arthur Maia morreu, aos 56 anos, na tarde deste sábado (15/12), no município de Niterói (RJ), vítima de uma parada cardíaca. Prefeitura da cidade decretou luto oficial de três dias.

Segue o trecho do depoimento de Arthur Maia no painel sobre Produção Musical.

Carreira
O baixista, compositor e produtor musical, Arthur Maia é um dos nomes mais bem mencionados no mundo da música brasileira. Sua história na música é longa passando por projetos como Banda Black Rio, Cama de Gato e como integrante da banda do Gilberto Gil. Além de ser sponsored a 15 anos pela grande marca de baixo e guitarra Tagima; tendo sua assinatura em 2 baixos de 4 cordas e um baixolão. Seu mais recente álbum, o Tempo e a Música, foi indicado ao Grammy sendo o único baixista brasileiro a indicação de melhor álbum instrumental, no qual obteve participações de Gilberto Gil e Scott Henderson, entre outros. Por muitos anos Arthur vem se apresentando com importantes nomes da música brasileira e participando de turnês mundial. Entre várias realizações em 2017, Arthur ganhou o Grammy Latino de melhor produção do álbum da Martinália na categoria samba, junto com Celso Fonseca. Em 2016 grava seu primeiro DVD com participação de seu Jorge e Ivan Lins fazendo vários shows pelo Brasil. Em 2014, Arthur dá mais um salto e une-se ao respeitado projeto latino Americano General Paz e La Triple Frontera (GP3F). Projeto esse que traz a junção da música Latina e suas vertentes afro-latina. O projeto tem deixando suas marcas não somente no Brasil mas pelo México, Argentina e Estados Unidos. Produziu também os documentários nos Caminhos do Jazz, Caminho das Pedras e Paisagem Carioca, Premiado no Festival de Havana em 2016. No mesmo ano é chamado para produzir a cantora americana Alessandra Jackson que contou com participação de músicos de renome como Larry Willians (Michael Jackson e Darryl Jones (Miles Davis). O projeto teve transcrição da voz de Stevie Wonder. Nos últimos anos Arthur seguiu intensamente com projetos como produtor musical realizando 4 aberturas de novelas, além da série de TV Pé na Cova; exibida pela TV Globo entre 2013/16. Arthur Maia segue com o lançamento do DVD, sendo exibido no Canal Brasil desde Abril desse mesmo ano.

Um Baixista na Política
Em 2012, Arthur Maia foi nomeado Secretário de Cultura de Niterói onde prestou um respeitado trabalho na cultura da cidade priorizando as áreas carentes. Encabeçou projetos impulsionando jovens carentes a se interessar pela arte e cultura. Até o final da sua gestão somaram 4000 jovens adolescentes em 14 comunidades de Niterói.

Links
www.facebook.com/maia.arthur.5
www.youtube.com/watch?v=Es37NI9QPKw

Rio Music Market – Palestra sobre Marketing Digital

Profissionais do marketing apresentaram dicas e melhores práticas para a divulgação e campanhas em redes sociais durante o Rio Music Market 2018.

Participantes: Henrique Badke (iMusica), Marcela Maia (Biscoito Fino) e Marina Mattoso (Jangada Comunicação).
Mediação: Paula Martini (Martinica)