fbpx

Assinatura de streaming hoje é mais da metade da receita dos selos do Reino Unido

Novos números BPI (British Fonographic Industry) mostram que assinaturas de streaming representaram 54% da receita dos selos britânicos em 2018. A receita destas assinaturas cresceu 34.9% na comparação ano a ano, para um total de 467,6M de Libras (em torno de US$ 615M). Esse resultado contribuiu para um crescimento de 32.8% no total de receitas de streaming de música para os selos, somando 516,4M de Libras, sendo que streamings baseados em propaganda geraram 19,1M de Libras (crescimento de 25,8%) e streamings de vídeo geraram 29,7M de Libras (crescimento de apenas 9,9%).

Olhando a cena como um todo: crescimento de 3,1% em receita dos selos no último ano, total de 865,5M de Libras, com o crescimento do streaming superando as quedas agudas na venda de CD (queda de 28,4% em receita comercial) e downloads (queda de 27,9%). Com o debate do abismo de valores em mente, a BPI estima que houve mais de 30B de execuções de vídeos de música no Reino Unido no último ano, baseado numa pesquisa entre seus membros, extrapolada para todo o mercado.

As tendências no entanto indicam que 3.1% de crescimento em receita dos selos é um alerta, uma vez que o crescimento comparativo em 2017 foi de 10,6%. Enquanto BPI está compreensivelmente interessado em falar sobre crescimento no longo prazo – a receita dos selos tem crescido 21.7% desde 2015, com três anos consecutivos de crescimento – a desaceleração do crescimento ano a ano é algo a se observar. BPI mencionou o desafio de relacionar “o sucesso global fenomenal do álbum ´Divide´ do Ed Sheeran em 2017 no contexto dos formatos físicos. Os números completos serão publicados no relatório “BPI All About the Music” na próxima semana, quando então a indústria britânica da música provavelmente já terá alguma clareza sobre o que está acontecendo com a saída do Reino Unido da Comunidade Europeia (Se bem que com o atual caos da política britânica, pode não ser assim), assim como sobre a nova diretiva europeia sobre Copyrights e seu artigo 13, que será votado no parlamento europeu nessa semana.

Fonte: musically.com/tag/uk/

ABMI subscreve carta aberta a favor da nova diretiva europeia

O ARTIGO 13 DA DIRETIVA EUROPEIA

Nos últimos tempos tem havido uma frenética campanha de desinformação e alarmismos proveniente daquelas empresas que mais lucram com o uso gratuito ou sub-remunerado dos trabalhos criativos alheios. O poder de lobby dessas entidades é tamanho que mudanças legislativas para proteger criadores e proprietários de direitos autorais nos EUA tem sido virtualmente impossível. Por isso as esperanças de artistas e selos americanos por uma compensação mais justa estão depositadas na nova Diretiva de Direitos Autorais do Parlamento Europeu, que promete realinhar radicalmente a aplicação da lei de para plataformas digitais na Europa.

Uma votação favorável no parlamento europeu desta nova legislação transformará para melhor a situação dos criadores e administradores de direitos autorais. Pela primeira vez a lei vai dizer claramente que os serviços que usam upload de usuários estão sujeitos à lei de direitos autorais. Plataformas que permitem o acesso a grandes quantidades de obras protegidas terão que cumprir um novo regime (Artigo 13), requerendo o regular licenciamento desse material. Naturalmente haverá exceções para plataformas sem fins lucrativos, startups, Wikipedia e alguns outros serviços on-line que não serão negativamente afetados.

Os consumidores ganham porque a responsabilidade será transferida do usuário para a plataforma. As licenças cobrirão seus envios, sempre contando com exceções e limitações. A inovação não será sufocada, pois as exceções vão proteger pequenas startups nascentes.

As disposições sobre transparência e remuneração para autores e intérpretes baseiam-se nos compromissos que o setor independente já assumiu há quase cinco anos, com a declaração WIN de acordos digitais (FD3).

Da perspectiva dos Norte-Americanos, este é uma luta difícil e cuidadosamente elaborado que está bastante atrasada. A lei europeia promete reequilibrar o relacionamento entre criadores e distribuidores e incentivar a criação e a propriedade intelectual. Revigorar a comunidade criativa produzirá recompensas culturais e econômicas. Legisladores dos EUA, que querem o melhor para o nosso país, deveriam seguir o mesmo caminho.

“A A2IM e seus membros apoiam os parlamentares europeus que enfrentam a fúria nuclear de pressão anti-copyright das corporações mais ricas e poderosas de todos os tempos.”

A comunidade criativa abraçou as plataformas de conteúdo gerado pelo usuário da melhor maneira possível por duas décadas. Agora, o quadro legal precisa apoiar as realidades do mercado.

A comunidade criativa abraçou a economia gerada pelo usuário da melhor maneira possível por duas décadas. Agora, o quadro legal precisa apoiar as realidades do mercado.

A Europa está liderando o caminho. A A2IM, a ABMI e seus membros apoiam os parlamentares da Europa, que enfrentam a fúria nuclear de pressão anti-copyright das corporações mais ricas e poderosas de todos os tempos.

Como estamos percebendo cada vez mais, os interesses do público em geral e até mesmo da nossa democracia estão sendo ameaçados pelo comportamento irresponsável de algumas dessas megacorporações. Pedimos aos nossos líderes eleitos que corrijam o abismo de valores e que restaurem o controle dos criadores sobre o uso de suas obras, bem como a capacidade de construir negócios a partir dos frutos de seu trabalho.

Richard James Burgess – CEO da A2IM

Link para matéria: https://www.musicbusinessworldwide.com/a2im-ceo-takes-aim-at-corporations-for-a-nuclear-fury-of-anti-copyright-pressure-over-article-13

Oportunidade: WIN Network Development Director

A WIN tem uma vaga aberta para Network Development Director em Londres.

Seguem os detalhes da vaga em inglês.

Job Description:

WIN Network Development Director

WIN (Worldwide Independent Network Ltd) wishes to hire a Network Development Director, to start immediately. The job is a senior and pivotal position within our organisation, being the main point of contact between WIN as an organisation and its network of independent music associations. The role will require someone with superior industry knowledge and contacts, excellent interpersonal skills, a keen interest in cultural diversity, enthusiasm and motivation.

Key responsibilities 

  • Primary point of contact for the network of independent trade associations.
  • Developing increased contact between the associations, with WIN acting as facilitator.
  • Developing and delivering a programme of support and collaboration between our network of associations globally.
  • Working with the Chief Operating Officer to deliver value and support to associations individually and collectively; interfacing with wider industry contacts and initiatives.
  • Developing detailed knowledge of the industry in individual territories, with a particular focus on developing markets.
  • Responsible for building associative structures and representation in countries hitherto unrepresented.
  • Supporting the COO with occasional legal & business affairs work, including rights related matters.
  • Interfacing with leading national associations and sector lobbyists on matters of policy, to increase knowledge sharing around the network.
  • Interfacing with various entities on matters relating to funding applications.
  • Working directly with the COO and Board on regular work, and specific initiatives as they arise.

Skills and Qualifications

  • Understanding of today’s international music industry, including copyright/related rights, policy and commercial issues.
  • Knowledge of the international independent music sector, and the challenges it faces.
  • Multilingual, ideally fluent in English and Spanish, and proficiency in at least one other (preferably non-European) language.
  • Proven track record of delivering knowledge sharing programmes.
  • Broad network of music industry contacts, preferably internationally.
  • Must be proactively interested in developing diversity in our sector, and the wider music industry.
  • A pro-active, ‘self starting’ attitude is essential, as are first class communication and collaboration skills.

General

  • Extensive foreign travel
  • Reports to the COO.
  • Full time role
  • Salary: commensurate with experience.

Please send a CV, and cover letter explaining your suitability for the role, to jobs@winformusic.org

The deadline for applications is 12th April 2019.

More information on WIN: http://winformusic.org/about/

 

EUA comemoram o terceiro ano consecutivo de crescimento de dois dígitos na música

Não saberemos os números exatos sobre como 2018 foi para a indústria da música mundial até o próximo mês, quando a IFPI publica seu relatório anual. Mas com base no maior mercado do mundo, os EUA, será outro forte conjunto de resultados. A RIAA revelou ontem que as receitas de varejo dos EUA para música gravada cresceram 12%, US $ 9,8 bilhões em 2018 – o terceiro ano consecutivo de crescimento de dois dígitos.

O streaming agora representa 75% desse mercado: US $ 7,4 bilhões de receita nos EUA no ano passado, um aumento de 30% em relação a 2017. Isso incluiu US $ 5,4 bilhões de receita de assinatura – 32% – enquanto o número de assinaturas de música paga cresceu 42% para 50,2 milhões de pessoas. O que significa que o crescimento no número de assinantes é maior do que as receitas reais de assinaturas (uma diferença maior se você retirar os US $ 747 milhões de receita de subscrições promocionais, já que esses ouvintes não estão incluídos nos 50 milhões de assinantes.)

Sim, há uma questão de abismo de valores sendo levantada. A RIAA disse que as receitas de serviços suportados por anúncios on-demand (como o nível gratuito do Spotify, o YouTube etc) aumentaram em 15%, para US $ 760 milhões. “Esses tipos de serviços transmitiram mais de 400 bilhões de músicas para ouvintes nos Estados Unidos, mais de um terço de um total estimado de 1,2 trilhão de fluxos, mas contribuíram com apenas 8% para a receita total do ano”, disse a RIAA.

Outras tendências: as vendas de CDs caíram 34%, para US $ 698 milhões, enquanto as vendas de vinil cresceram 8%, para US $ 419 milhões. Estamos realmente enfrentando a perspectiva de ultrapassar o CD novamente nos EUA, possivelmente ainda este ano. As vendas de download caíram 26%, para pouco mais de US $ 1 bilhão. O presidente e CEO da RIAA, Mitch Glazier, optou por se concentrar no crescimento das assinaturas de streaming. “Cinquenta milhões de assinaturas revelam o amor inigualável dos fãs pela música e o modo como ela molda nossas identidades e cultura – e mostra uma indústria que abraçou o futuro e encontrou um caminho saudável pela frente na economia digital”.

A RIAA não divulga serviços de streaming individuais, mas a empresa de consultoria MusicWatch divulgou ontem alguns números de participação de mercado das plataformas no âmbito da audição de música nos EUA, no último trimestre de 2018. O YouTube ainda está no topo, com 28% de “””aggregate listening hours”””  27% acima do ano anterior. No entanto, o Spotify está no calço,  aumentando de 20% para 24% de audição no mesmo período. Pandora (20%), Apple Music (6%) e Amazon Music (3%) são os outros serviços listados.

Isso é para todos os ouvintes – gratuitos e pagos. O MusicWatch diz que, quando apenas os serviços de assinatura são considerados, o Spotify tinha uma participação de 39% nos EUA no quarto trimestre de 2018, à frente da Apple Music (17%), Amazon Music (16%) e Pandora (10%). A empresa acrescentou que, de acordo com seus dados, a média de horas semanais de audição de um usuário do Spotify Premium cresceu de 4,9 horas no 4º trimestre de 2017 para 6,8 horas no 4º trimestre de 2018. E destaca que assinantes do Spotify Premium gastam 6 horas por semana ouvindo podcasts… ”

 
Fonte: https://musically.com/2019/03/01/us-enjoyed-third-straight-year-of-double-digit-music-growth/

O que é a nova Diretiva de Direitos Autorais Europeia e o que ela significa para Selos, Artistas e YouTube

Após anos de pressão, a luta pela Diretiva de Direitos Autorais e o futuro da mídia digital na Europa estão prestes a serem definidos. No final da noite de 13 de fevereiro, formuladores de políticas da União Européia elaboraram a versão final da nova Diretriz de Direito Autoral – tema de uma feroz batalha de quatro anos entre empresas de mídia e gigantes como o Google a respeito de como os criadores serão compensados na era do mercado digital.

Em jogo estão bilhões de dólares em receita potencial para a indústria da música, assim como o futuro dos negócios de mídia online no maior mercado do mundo. No início de abril, o Parlamento Europeu votará se a Diretiva sobre Direitos Autorais no Mercado Único Digital entrará em vigor – depois do que seria então transposta em lei nos Estados membros da UE.

A parte mais importante para o negócio da música – e a mais controversa em geral – é o Artigo 13, que basicamente encerra o “porto seguro” (“safe harbor”) que protege determinados sites quanto ao conteúdo enviado por usuários na Europa. Essas empresas, incluindo o YouTube, se tornariam assim legalmente responsáveis por infrações que ocorram em suas plataformas e seriam obrigadas a solicitar autorizações em moldes parecidos com as demais plataformas de streaming. Em termos objetivos, isso significa que o YouTube teria que pagar royalties mais próximos aos do Spotify e da Apple.

Mas a redação final da legislação deixou alguns executivos da música insatisfeitos, pois consideram que um Artigo 13 enfraquecido que não os favorecem.

“A versão final tem o potencial de deixar a música pior do que estamos agora”, diz um executivo sênior da música. “Trata-se de proteger a legislação no futuro para que ela permaneça eficaz à medida que a tecnologia muda e, infelizmente, essa versão não consegue isso”.

O texto final do Artigo 13 dá às plataformas que dependem do conteúdo enviado pelo usuário algumas atenuações de responsabilidade por hospedar violações na área da música ou de vídeos musicais, nos casos em que uma licença não foi concedida. Nesses casos, as plataformas teriam que fazer “os melhores esforços” para obter uma licença e “garantir a indisponibilidade de trabalhos específicos”.

Quando o conteúdo não licenciado é carregado, as plataformas precisam agir “com rapidez” para removê-lo e fazer “os melhores esforços” para impedir seu upload futuro. Isso significa que o YouTube será obrigado a implementar “aviso prévio e suspensão” (“notice and staydown”), em oposição ao atual “aviso e remoção” (“notice and takedown”).

A maioria dos detentores de direitos vê a legislação de aviso prévio e suspensão, e a colocação de responsabilidade primária em serviços de conteúdo carregado pelo usuário (UUC), como uma vitória significativa para a indústria da música. No entanto, alguns temem que essas ambiguidades no texto final possam ser minadas ou vagamente interpretadas quando a diretiva for transposta para a lei pelos estados membros da UE, criando indiretamente novas brechas e portos seguros para as plataformas explorarem.

Há também preocupações com exceções de “lighter touch” que o Artigo 13 concede a plataformas UUC pequenas e em fase inicial que operam há menos de três anos; com receitas anuais inferiores a 10 milhões de Euros e menos de 5 milhões de usuários únicos por mês. Nesses casos, as plataformas ainda serão obrigadas a aceitar licenças com selos e editores, mas só serão obrigadas a operar medidas de aviso e remoção, não de aviso prévio e suspensão – colocando efetivamente o ônus da responsabilidade sobre os detentores de direitos.

O Artigo 13, parágrafo 5 estabelece adicionalmente o que equivale a uma paródia em toda a União Europeia, protegendo o direito dos usuários de parodiar livremente obras de vídeo, cinema e TV protegidas por direitos autorais sem medo de represálias ou contestação legal. Essas leis já estão em vigor em vários países da UE, como a França, a Alemanha e o Reino Unido, mas não em todos os 28 países membros.

Atualmente, em mercados onde não existem exceções de paródia, os detentores de direitos podem gerar receita com vídeos de paródia musical. Se aprovado, o Artigo 13 potencialmente encerra essa fonte de receita.

“Não acho que você encontrará muitos detentores de direitos que vão sair e dizer que eles gostam do [Artigo] 13.5. Em territórios onde eles não têm atualmente essas exceções, você está potencialmente reduzindo receitas para um uso particular de conteúdo…” diz um executivo.

Das três maiores gravadoras, fontes da indústria dizem que a Universal é a que mais se opõe à versão final; a Warner em grande parte é favorável, embora os executivos achem que o texto contém falhas; e a Sony Music está entre os dois. O YouTube se recusou a comentar, mas ainda disse em comunicado que está determinando seus próximos passos.

“Seria ingênuo esperar que essa diretriz seja o fim de todo o debate ou litígio em relação aos direitos autorais no mundo online”, disse Helen Smith, CEO do grupo de gravadoras independentes IMPALA, à Billboard.

“O quadro geral é que esta é a primeira vez em todo o mundo que as plataformas que oferecem serviços de upload de usuários precisam de uma licença, não podem postar conteúdo não autorizado e estão sob obrigação de mantê-lo fora do acesso”, diz ela. “Isso é muito mais do que pedimos de início e é uma peça de legislação que nos impulsionará como setor.”

Ao mesmo tempo, os Artigos 14, 15 e 16 da Diretiva de Direitos Autorais contém algumas disposições importantes para intérpretes, compositores e artistas, incluindo requisitos para relatórios regulares e transparentes de detentores de direitos sobre as receitas geradas de suas obras e remuneração devida.

Nos casos em que esse nível de remuneração se torne “desproporcionalmente baixo”, criadores e artistas têm o direito de reivindicar “remuneração adicional, apropriada e justa” dos detentores dos direitos, afirma a diretriz. Também diz que quando um autor ou performer cedeu exclusivamente seus direitos a uma empresa de música que não lança ou explora sua música, eles “podem revogar, no todo ou em parte, a licença ou a transferência de direitos”.

“Essas disposições podem ser realmente valiosas para artistas e compositores que estejam em contratos obsoletos”, diz Annabella Coldrick, chefe-executiva do Music Managers ‘Forum (MMF), com sede no Reino Unido. “Potencialmente, há algumas medidas realmente boas aqui para garantir que as pessoas que fizeram a música, em primeiro lugar, vejam uma parte de todo esse crescimento. Não se trata apenas dos detentores de direitos ganharem mais do YouTube. É garantir que todos o dinheiro seja compartilhado de forma proporcional e justa”.

“Os problemas com o texto são menos sobre substância e muito mais sobre ambiguidade”, diz um executivo, também apoiador da diretiva. “O que ele contém é claro o suficiente para que possamos fazer algo nos dias de hoje? Ou teremos que contar com alguém esclarecendo isso mais tarde na jurisprudência?”

“Há um reconhecimento [no artigo 13] de que as criações de nossos artistas e escritores não estão lá para serem pisoteadas pelas empresas de tecnologia”, disse um executivo sênior da gravadora. “Os potenciais negativos estão na forma de como são interpretados e implementados país a país. Há palavras nesse documento que podem ser interpretadas de forma muito diferente, dependendo de que lado da conversa você está. Como os países interpretam isso é que são elas”.

Fonte: https://www.billboard.com/amp/articles/business/8500626/what-eu-final-copyright-directive-contains-labels-artists-youtube-impact

Oportunidade: Co-ordination Manager – WIN for Music – Londres

A WIN está contratando um Co-ordination Manager para se juntar ao time do escritório em Londres.

Seguem os detalhes da vaga em inglês:

Job Description:

Co-ordination Manager

 WIN (Worldwide Independent Network Ltd) wishes to hire a Co-ordination Manager, to start immediately. The job consists of a broad remit to assist the organisation in various aspects of administrative work and to provide support for a small team, as well as taking on key information gathering and communication tasks.

The position is outward facing and requires regular contact with our members, directors, staff, and industry institutions on a daily basis. The role is key to the operations of the organisation, and the successful candidate will enjoy working with a wide network of industry figures from around the world.

The successful candidate will be personable, motivated, and familiar with today’s music industry issues.

Key responsibilities:

  • General administrative duties of the organisation
  • Liaising with member associations, partner organisations and others
  • Gathering and collating information from across the network of WIN associations and other industry bodies
  • Managing meeting bookings, accommodation and general support for attendees in various international locations throughout the year
  • Taking meeting notes at 2 or 3 board meetings per year
  • Managing the organisation’s social media presence
  • Managing funding and cost reimbursement processes
  • Supporting the Chief Operating Officer and other staff with regular work, and specific initiatives as they arise.

Skills and Qualifications:

  • 3-5 years’ experience in a similar role, preferably within the music or media industries.
  • Clear and effective written and verbal communication skills.
  • Social media experience and practical channel management (Facebook and Twitter).
  • Knowledge of market research and presentation of analysis and conclusions.
  • Finance or legal/business affairs experience would be an advantage, but not a necessity.
  • Must be proactively interested in developing diversity in our sector, and the wider music industry.

General:

 Requires some foreign travel (around 4 or 5 trips per year).

  • Reports to the COO.
  • Based in central London (South Bank).
  • Full time position.
  • Candidates must be eligible to work in the UK.

Please send a CV, and cover letter explaining your suitability for the role, to jobs@winformusic.org

The deadline for applications is 26th March 2019.

More information on WIN: http://winformusic.org/about/