fbpx

CEO Alison Wenham se desliga da WIN

Londres, 13 de Dezembro de 2018 – Após doze anos no comando da Worldwide Independent Network (WIN), o forum global para indústria da música independente profissional, Alison Wenham se desliga como CEO da organização.

Antes de se juntar à WIN em tempo integral, em 2016, Alison era CEO da AIM – Association of Independent Music , organização que ela iniciou em 1999, em resposta aos desafios de negócio e de acesso ao mercado, encarados pelo setor independente em nível global.

A WIN também foi fundada sob a liderança da Alison como uma rede global informal em 2006 em resposta às ameaças e oportunidades globais. Através da WIN e com a MERLIN, o valor dos direitos independentes ao redor do mundo tem sido firme e definitivamente estabelecido. O setor também se beneficiou da Declaração dos Acordos Digitais Justos em 2014, que se tornou o padrão de ouro para acordos justos com artistas.

Durante o tempo da Alison como CEO da WIN, a organização cumpriu um papel central de reunir inteligência para que seus membros tenham uma visão global das principais questões que afetam o setor independente,  e de assegurar que os desafios sejam antecipados e  confrontados antes de se tornarem um problema.

O relatório anual WINTEL, encomendado pela WIN, agora em seu terceiro ano, mapeia a participação do mercado global e se tornou a avaliação mais precisa da saúde e do crescimento contínuos do setor independente.

A WIN tem também feito a interlocução com sociedades de gestão coletiva ao redor do mundo e continua a pressionar para que o setor independente seja formalmente representado na governança destas sociedades arrecadadoras, ao mesmo tempo em que monitora sua eficiência e transparência.

A WIN continuará a confrontar e lutar contra os abusos em todo o mundo, buscando manter um nível comercial de boas práticas enquanto previne as grandes corporações de criar ambientes anti-competitivos.

Alison Wenham disse: “Foi um prazer e um privilégio dedicar duas décadas da minha vida e da minha carreira para ajudar a garantir estabilidade e crescimento contínuo para o setor da música independente. Desde que lancei a AIM em 1999, tenho estado ombro a ombro com amigos e colegas incríveis, e juntos estabelecemos,e em seguida entregamos uma nova era de respeito ao papel e à importância do setor independente. Mudamos atitudes em relação ao setor em nível global e garantimos o reconhecimento dos direitos da música independente, agora reconhecidos e valorizados. Estou imensamente orgulhosa de tudo que conquistamos nesse período e a música independente seguirá sendo minha paixão. Decidi, no entando, que o momento é agora, com a organização em boa saúde, para me desligar da minha posição na WIN. Quero agradecer a todos com quem trabalhei ao longo desses anos por seu incrível suporte.”

Martin Mills, atual Chairman da WIN Chairman, disse: “Alison tem sido uma força da natureza para todos nós, e um fator central no fato dos independentes poderem competir globalmente com companias muito maiores em tamanho. À medida que ela segue seu rumo, ela nos deixa fortes e prósperos, aspirando a temporadas frutíferas. Por essa razão somos eternamente gratos a ela.”


Para mais informações:
Andy Saunders | Velocity Communications
Tel: 0207 060 9111
Mob: 07939 133050

Depoimento de Arthur Maia sobre Produção Musical.

O músico Arthur Maia morreu, aos 56 anos, na tarde deste sábado (15/12), no município de Niterói (RJ), vítima de uma parada cardíaca. Prefeitura da cidade decretou luto oficial de três dias.

Segue o trecho do depoimento de Arthur Maia no painel sobre Produção Musical.

Carreira
O baixista, compositor e produtor musical, Arthur Maia é um dos nomes mais bem mencionados no mundo da música brasileira. Sua história na música é longa passando por projetos como Banda Black Rio, Cama de Gato e como integrante da banda do Gilberto Gil. Além de ser sponsored a 15 anos pela grande marca de baixo e guitarra Tagima; tendo sua assinatura em 2 baixos de 4 cordas e um baixolão. Seu mais recente álbum, o Tempo e a Música, foi indicado ao Grammy sendo o único baixista brasileiro a indicação de melhor álbum instrumental, no qual obteve participações de Gilberto Gil e Scott Henderson, entre outros. Por muitos anos Arthur vem se apresentando com importantes nomes da música brasileira e participando de turnês mundial. Entre várias realizações em 2017, Arthur ganhou o Grammy Latino de melhor produção do álbum da Martinália na categoria samba, junto com Celso Fonseca. Em 2016 grava seu primeiro DVD com participação de seu Jorge e Ivan Lins fazendo vários shows pelo Brasil. Em 2014, Arthur dá mais um salto e une-se ao respeitado projeto latino Americano General Paz e La Triple Frontera (GP3F). Projeto esse que traz a junção da música Latina e suas vertentes afro-latina. O projeto tem deixando suas marcas não somente no Brasil mas pelo México, Argentina e Estados Unidos. Produziu também os documentários nos Caminhos do Jazz, Caminho das Pedras e Paisagem Carioca, Premiado no Festival de Havana em 2016. No mesmo ano é chamado para produzir a cantora americana Alessandra Jackson que contou com participação de músicos de renome como Larry Willians (Michael Jackson e Darryl Jones (Miles Davis). O projeto teve transcrição da voz de Stevie Wonder. Nos últimos anos Arthur seguiu intensamente com projetos como produtor musical realizando 4 aberturas de novelas, além da série de TV Pé na Cova; exibida pela TV Globo entre 2013/16. Arthur Maia segue com o lançamento do DVD, sendo exibido no Canal Brasil desde Abril desse mesmo ano.

Um Baixista na Política
Em 2012, Arthur Maia foi nomeado Secretário de Cultura de Niterói onde prestou um respeitado trabalho na cultura da cidade priorizando as áreas carentes. Encabeçou projetos impulsionando jovens carentes a se interessar pela arte e cultura. Até o final da sua gestão somaram 4000 jovens adolescentes em 14 comunidades de Niterói.

Links
www.facebook.com/maia.arthur.5
www.youtube.com/watch?v=Es37NI9QPKw

Rio Music Market – Palestra sobre Marketing Digital

Profissionais do marketing apresentaram dicas e melhores práticas para a divulgação e campanhas em redes sociais durante o Rio Music Market 2018.

Participantes: Henrique Badke (iMusica), Marcela Maia (Biscoito Fino) e Marina Mattoso (Jangada Comunicação).
Mediação: Paula Martini (Martinica)

WINTEL 2018 anuncia a mais recente e abrangente análise de mercado independente global.

WIN            ABMI

WINTEL 2018 anuncia a mais recente e abrangente análise de mercado independente global.

Os independentes agora representam 39.9% do mercado de música gravada no mundo.

Receitas cresceram 10,9% em relação ao ano anterior, receita global de streaming cresceu 46% ano a ano.

Londres, 4 de dezembro de 2018 – WINTEL 2018 é o terceiro relatório produzido pela WIN (Worldwide Independent Network), mapeando o mercado global independente em relação à propriedade de fonogramas, e não em relação aos canais de distribuição.

Este novo relatório desenvolvido para analisar o impacto econômico e cultural do setor da música independente foi criado a pedido da WIN por Mark Mulligan da MIDiA Research e editado pela Music Ally (Reino Unido). Os resultados, colhidos em 33 países, representam a mais abrangente pesquisa global do setor de gravadoras independentes feita até hoje.

O estudo mostra que o mercado independente cresceu 39,9% em 2017.

As receitas globais também cresceram de US$6.2 bilhões em 2016 para US$6.9 bilhões em 2017, demonstrando um forte crescimento ano a ano de 10,9%. É importante ressaltar que o setor independente teve uma performance superior ao do mercado de música como um todo, que cresceu 10,2% no último ano.

O rápido crescimento dos chamados mercados emergentes – com a China apresentando um crescimento de 36% em faturamento, Ásia e Austrália assistindo a um pico de 5,4% em receita e a América Latina com um aumento de quase 50% na receita de streaming – tudo isso faz com que a indústria observe com muita expectativa os próximos movimentos.

Importante enfatizar que este relatório utiliza critérios baseados em detenção de direitos, e não em vendas feitas pelos canais de distribuição.

Esta é uma distinção crucial, pois tendo em vista que as companhias independentes usam as grandes gravadoras (ou empresas de propriedade das grandes gravadoras) para distribuir sua música, estas grandes gravadoras incluem o valor da receita derivada da distribuição dos direitos dos independentes na mensuração do seu próprio mercado.

A análise da WINTEL à luz da detenção dos direitos, portanto, promove uma visão mais exata do mercado.

Isto também é relevante porque o tamanho do mercado é usado pelas empresas líderes de música digital como Apple, Google e Spotify em negociações com o setor independente, eventualmente determinando o nível de remuneração pago por estas empresas aos detentores dos direitos musicais.

Ao final de 2017 os serviços de assinatura de streaming de música atingiram 176 milhões de assinantes globalmente, comparados a 64 milhões em 2016. Este crescimento incrementou a receita das companhias independentes em 46% em 2017, atingindo US$3.1 bi.

É extremamente provável que o streaming represente mais de 50% da receita das companhias de música independente num futuro próximo; as vendas físicas continuam a cair.

Uma razão provável para este crescimento contínuo é o fato de que os selos independentes se ajustaram para acomodar e tirar proveito do ambiente de streaming, com 47% dos participantes da pesquisa respondendo que isto melhorou significativamente seu fluxo de caixa, um número que se eleva a 73% para selos nos quais streaming já representa mais de 30% de sua receita.

Uma outra conclusão positiva e interessante da pesquisa é que 76% dos artistas que assinaram com selos independentes decidiram renovar seus contratos.  Isto é sem dúvida um reflexo da estabilidade encontrada nos selos que estão trabalhando com tais artistas.  As respostas demonstram que 42% das equipes nas companhias independentes permanecem por lá desde o início da empresa, um fato a destacar considerando que a média dos selos independentes tem 14.9 anos de existência.

Também é válido refletir sobre o que define “independente” em 2018 – o termo está certamente evoluindo na indústria da música, e além de selos, o termo agora inclui os chamados artistas “autoprodutores”, que estão lançando por conta própria sua música através dos distribuidores do mercado.

O WINTEL 2018 revela que a renda dos artistas que se “auto lançam” cresceu de US$94 milhões em 2016 para US$101 milhões em 2017. Como estes artistas constroem times ao seu redor para exercer funções típicas de selos, este setor da comunidade da música independente tende a crescer significativamente.

Alison Wenham, CEO da WIN afirma: “_Com 2018 chegando ao fim, estamos felizes em publicar a terceira edição do relatório anual WINTEL, que destaca o mercado global independente crescendo impressionantes 39.9% em 2017, um número que ultrapassa tanto as grandes gravadoras quando o setor de música como um todo. Há inúmeras informações interessantes a extrair desta pesquisa, mas uma coisa que realmente me chamou a atenção foi o fato de 76% dos artistas escolherem renovar seus contratos com seus selos, o que demonstra que os independentes estão estreitando fortes laços com os artistas que representam. Mais doze meses se passaram, turbulentos para nossa indústria em muitos aspectos, mas surgiram novas legislações poderosas para proteger nossos negócios, houve um crescimento fantástico em alguns territórios inesperados, e o suporte contínuo dos fãs de música que continuaram a desfrutar e a se conectar com a música incrível que vem da comunidade global independente.”

“Este terceiro relatório da WIN é uma demonstração de força do setor da música independente global. Uma indústria sem números é uma indústria desempoderada. Diante desta realidade e do crescimento consistente das plataformas digitais, uma de nossas prioridades para 2019 será um estudo ainda mais aprofundado da produção musical brasileira e do perfil do produtor independente local.”
(Carlos Mills, Presidente da ABMI – Associação Brasileira da Música Independente).

WINTEL 2018 para impressão e visualização online:

 WINTEL está disponível para impressão e online em www.winformusic.org.

Para mais informação:

Andy Saunders

Velocity Communications
Tel: + 44 (0) 7939 133050
[email protected]

 

Sobre WIN

Worldwide Independent Network (WIN) é a entidade que coordena Associações Internacionais de Música Independente, representando o mercado de música gravada ao redor do mundo. Lançada em 2006 em resposta ao negócio global e aos desafios enfrentados pelo setor independente, a WIN advoga coletivamente, instiga e facilita em favor de seus associados. www.winformusic.org