fbpx

Oportunidade: Co-ordination Manager – WIN for Music – Londres

A WIN está contratando um Co-ordination Manager para se juntar ao time do escritório em Londres.

Seguem os detalhes da vaga em inglês:

Job Description:

Co-ordination Manager

 WIN (Worldwide Independent Network Ltd) wishes to hire a Co-ordination Manager, to start immediately. The job consists of a broad remit to assist the organisation in various aspects of administrative work and to provide support for a small team, as well as taking on key information gathering and communication tasks.

The position is outward facing and requires regular contact with our members, directors, staff, and industry institutions on a daily basis. The role is key to the operations of the organisation, and the successful candidate will enjoy working with a wide network of industry figures from around the world.

The successful candidate will be personable, motivated, and familiar with today’s music industry issues.

Key responsibilities:

  • General administrative duties of the organisation
  • Liaising with member associations, partner organisations and others
  • Gathering and collating information from across the network of WIN associations and other industry bodies
  • Managing meeting bookings, accommodation and general support for attendees in various international locations throughout the year
  • Taking meeting notes at 2 or 3 board meetings per year
  • Managing the organisation’s social media presence
  • Managing funding and cost reimbursement processes
  • Supporting the Chief Operating Officer and other staff with regular work, and specific initiatives as they arise.

Skills and Qualifications:

  • 3-5 years’ experience in a similar role, preferably within the music or media industries.
  • Clear and effective written and verbal communication skills.
  • Social media experience and practical channel management (Facebook and Twitter).
  • Knowledge of market research and presentation of analysis and conclusions.
  • Finance or legal/business affairs experience would be an advantage, but not a necessity.
  • Must be proactively interested in developing diversity in our sector, and the wider music industry.

General:

 Requires some foreign travel (around 4 or 5 trips per year).

  • Reports to the COO.
  • Based in central London (South Bank).
  • Full time position.
  • Candidates must be eligible to work in the UK.

Please send a CV, and cover letter explaining your suitability for the role, to jobs@winformusic.org

The deadline for applications is 26th March 2019.

More information on WIN: http://winformusic.org/about/

Charlie Phillips nomeado para liderar a WIN – Worldwide Independent Network

  • Phillips nomeado COO – Chief Operating Officer
  • Missão será focar no suporte à rede de associações independentes da  WIN

A WIN – Worldwide Independent Network, anuncia hoje Charlie Phillips como o novo Chief Operating Officer (COO) da instituição. Na prática Charlie vai intensificar o trabalho junto  às Associações Independentes internacionais, ampliando ações da capacitação dentro da rede. Ele também continuará a liderar o trabalho de execução pública, representando os direitos conexos independentes perante setores internacionais da indústria.

Charlie responderá diretamente ao recém eleito Chair da organização, Justin West, da Secret City Records – Canada, com a supervisão do conselho de diretores da WIN.

Sua promoção chega num momento estimulante para a WIN, que está bem posicionada para se expandir durante um período de saudável crescimento para os mercados da música em nível mundial.

Phillips trabalha para a WIN desde 2011, onde tem sido crucial no estabelecimento de  seu status e na efetivação de associações globais. Antes de se juntar à WIN, ele liderou assuntos legais e comerciais na AIM. Como advogado, sua carreira legal abrangeu uma ampla gama de áreas pertinentes às atuais indústrias criativa e de música digital, incluindo uma posição como conselheiro legal para a entidade da indústria fonográfica IFPI. Suas áreas específicas de conhecimento incluem licenciamento para direitos de execução internacional, bem como a interação entre direitos de música e dados. Ele representa os membros da WIN no DDEX e ISO.

Charlie declarou: “Estou feliz em avançar à posição de COO da WIN, e ter a oportunidade de mover a WIN na direção desta nova fase. Nos últimos anos a rede global de associações independentes já provou consistentemente seu valor em dar suporte aos selos independentes e a seus artistas para alcançarem sucesso. Eu espero construir junto este sucesso, e conduzir a WIN ao próximo estágio de sua missão que é oferecer benefícios reais ao setor independente internacional.”

Justin West acrescentou: “ uma rede global forte de associações independentes é fundamental para fazer frente a comportamentos anti-competitivos, mantendo um ambiente de condições de igualdade para os independentes, e batalhando por políticas justas e transparentes no setor. Charlie sempre foi um grande defensor da comunidade independente e juntando sua experiência e seu conhecimento, aporta o conjunto preciso de competências para tocar a WIN e levar diante sua missão. É empolgante vê-lo assumir esta função e mover a organização adiante.”

Sobre a WIN:
Representando associações de música independente ao redor do mundo, a WIN possui membros na Europa, America Latina, América do Norte, Asia e Oceania e atua como a voz dos produtores independentes nas pautas de interesse global. Mais informações em www.winformusic.org.

RUNDA – Uma nova perspectiva nos Bálcãs para as gravadoras independentes

Zagreb, 24 de Janeiro de 2019

Hoje acontece o lançamento official da RUNDA – nome completo da Regionalna Udruga Nezavisnih Diskografa – a associação regional das gravadoras independentes dos Bálcãs, cujo trabalho cobrirá Eslovenia, Croácia, Bosnia-Herzegovina, Sérvia, Kosovo, Montenegro e Macedonia e Albania.   

Sediada em  Zagreb, a associação transnacional  – primeira estrutura desse perfil na Europa – se estabeleceu liderando o mercado local de gravadoras independentes, incluindo  Menart (Croatia), Moonlee Records (Slovenia), Kontra (Serbia), Dancing Bear Records (Croatia), IDJ (Serbia), NIKA (Slovenia), Ammonite Records (Serbia) e Dallas Records (Croatia), e pretende desenvolver a associação regional em alta velocidade nos próximos meses.

RUNDA é uma associação não partidária, sem fins lucrativos e não governamental, que promove os interesses das gravadoras independentes nos Bálcãs, buscando um nivelamento numa região em que o mercado da música é muito fragmentado, encorajando a colaboração entre os participantes locais  e desenvolvendo soluções para vários problemas que afetam o setor da música em níveis regional e nacional.

RUNDA é um novo associado formalizado tanto pela IMPALA (Associação Europeia das Gravadoras Independentes) quanto pela WIN (Rede Mundial Independente), sendo o membro mais recente da comunidade global independente. A Win, através do seu diretor de assuntos legais e de negócios, Charlie Philips, esteve envolvida no estabelecimento da Runda desde o início e se manterá envolvida dando suporte a este novo empreendimento, através de uma estreita colaboração com os membros do conselho da RUNDA, do qual também fazem parte Kees van Weijen (STOMP, NL), Csaba Nasz (HAIL, HU), Jonas Sjöström (Playground Music Scandinavia) e Didier Gosset (IMPALA).

RUNDA no MENT

RUNDA certamente estará presente no MENT, o principal festival regional para exposição e conferências de música , que acontece em Ljubljana no final deste mês.

Para marcar a ocasião, o MENT será o primeiro evento nos Bálcãs a sediar apresentações dedicadas ao Spotify, plataforma líder em streaming. Dois workshops especialmente destinados a gravadoras e artistas/produtores serão desenvolvidos pela RUNDA. Conduzidos pelo representante do Spotify Jeff Stempeck, ambos acontecerão na tarde da 6a feira , 1o de Fevereiro e requerem inscrição.

A RUNDA também fará uma apresentação sobre seus planos e estratégia para buscar soluções e respostas aos vários desafios de edição e gravação de música na região, incluindo a questão do streaming. Esta será uma ótima oportunidade para falar sobre seus propósitos, as razões pelas quais sua existência é necessária  e também sobre como as montanhas no montanhoso cenário musical dos Bálcãs deverão se mover no futuro próximo. Esta apresentação acontecerá no MENT dia 1o de Fevereiro, 13h.

NOTAS

No lançamento da RUNDA, o presidente da associação, Dario Drastata

(Dallas Records, Croiaác), comentou: “A RUNDA está dando o primeiro passo de uma longa jornada para as gravadoras independentes dos Bálcãs. Sabemos que haverá inúmeros desafios pelo caminho mas, como diz o ditado, queremos acreditar que a sorte acompanha os corajosos.  

O vice-presidente da RUNDA, Nikola Jovanovic (Kontra, Sérvia) acrescentou: “Estamos convencidos que a RUNDA é um passo na direção certa para encarar os inúmeros desafios enfrentados pelas gravadoras independentes regionais. Há uma qualidade incrível no setor musical da região, é necessário garantir que seja adequadamente empoderado e que esteja apto a prosperar.

Kees van Weijen, president da Associação Europeia da Música Independente – IMPALA, concluiu: “A RUNDA está formada por associados de muitos anos da IMPALA, e selos independents com uma trajetória comprovada no negócio da música.  Desejamos a todos o melhor e temos total confiança que a Runda está no rumo certo para alcançar grandes conquistas em nome da comunidade indepentende.

RUNDA websitehttp://www.runda.online
Press queriesinfo@runda.online
Nikola Jovanovic – nikola@runda.rs
Didier Gosset – dgosset@impalamusic.org

CEO Alison Wenham se desliga da WIN

Londres, 13 de Dezembro de 2018 – Após doze anos no comando da Worldwide Independent Network (WIN), o forum global para indústria da música independente profissional, Alison Wenham se desliga como CEO da organização.

Antes de se juntar à WIN em tempo integral, em 2016, Alison era CEO da AIM – Association of Independent Music , organização que ela iniciou em 1999, em resposta aos desafios de negócio e de acesso ao mercado, encarados pelo setor independente em nível global.

A WIN também foi fundada sob a liderança da Alison como uma rede global informal em 2006 em resposta às ameaças e oportunidades globais. Através da WIN e com a MERLIN, o valor dos direitos independentes ao redor do mundo tem sido firme e definitivamente estabelecido. O setor também se beneficiou da Declaração dos Acordos Digitais Justos em 2014, que se tornou o padrão de ouro para acordos justos com artistas.

Durante o tempo da Alison como CEO da WIN, a organização cumpriu um papel central de reunir inteligência para que seus membros tenham uma visão global das principais questões que afetam o setor independente,  e de assegurar que os desafios sejam antecipados e  confrontados antes de se tornarem um problema.

O relatório anual WINTEL, encomendado pela WIN, agora em seu terceiro ano, mapeia a participação do mercado global e se tornou a avaliação mais precisa da saúde e do crescimento contínuos do setor independente.

A WIN tem também feito a interlocução com sociedades de gestão coletiva ao redor do mundo e continua a pressionar para que o setor independente seja formalmente representado na governança destas sociedades arrecadadoras, ao mesmo tempo em que monitora sua eficiência e transparência.

A WIN continuará a confrontar e lutar contra os abusos em todo o mundo, buscando manter um nível comercial de boas práticas enquanto previne as grandes corporações de criar ambientes anti-competitivos.

Alison Wenham disse: “Foi um prazer e um privilégio dedicar duas décadas da minha vida e da minha carreira para ajudar a garantir estabilidade e crescimento contínuo para o setor da música independente. Desde que lancei a AIM em 1999, tenho estado ombro a ombro com amigos e colegas incríveis, e juntos estabelecemos,e em seguida entregamos uma nova era de respeito ao papel e à importância do setor independente. Mudamos atitudes em relação ao setor em nível global e garantimos o reconhecimento dos direitos da música independente, agora reconhecidos e valorizados. Estou imensamente orgulhosa de tudo que conquistamos nesse período e a música independente seguirá sendo minha paixão. Decidi, no entando, que o momento é agora, com a organização em boa saúde, para me desligar da minha posição na WIN. Quero agradecer a todos com quem trabalhei ao longo desses anos por seu incrível suporte.”

Martin Mills, atual Chairman da WIN Chairman, disse: “Alison tem sido uma força da natureza para todos nós, e um fator central no fato dos independentes poderem competir globalmente com companias muito maiores em tamanho. À medida que ela segue seu rumo, ela nos deixa fortes e prósperos, aspirando a temporadas frutíferas. Por essa razão somos eternamente gratos a ela.”


Para mais informações:
Andy Saunders | Velocity Communications
Tel: 0207 060 9111
Mob: 07939 133050

WINTEL 2018 anuncia a mais recente e abrangente análise de mercado independente global.

WIN            ABMI

WINTEL 2018 anuncia a mais recente e abrangente análise de mercado independente global.

Os independentes agora representam 39.9% do mercado de música gravada no mundo.

Receitas cresceram 10,9% em relação ao ano anterior, receita global de streaming cresceu 46% ano a ano.

Londres, 4 de dezembro de 2018 – WINTEL 2018 é o terceiro relatório produzido pela WIN (Worldwide Independent Network), mapeando o mercado global independente em relação à propriedade de fonogramas, e não em relação aos canais de distribuição.

Este novo relatório desenvolvido para analisar o impacto econômico e cultural do setor da música independente foi criado a pedido da WIN por Mark Mulligan da MIDiA Research e editado pela Music Ally (Reino Unido). Os resultados, colhidos em 33 países, representam a mais abrangente pesquisa global do setor de gravadoras independentes feita até hoje.

O estudo mostra que o mercado independente cresceu 39,9% em 2017.

As receitas globais também cresceram de US$6.2 bilhões em 2016 para US$6.9 bilhões em 2017, demonstrando um forte crescimento ano a ano de 10,9%. É importante ressaltar que o setor independente teve uma performance superior ao do mercado de música como um todo, que cresceu 10,2% no último ano.

O rápido crescimento dos chamados mercados emergentes – com a China apresentando um crescimento de 36% em faturamento, Ásia e Austrália assistindo a um pico de 5,4% em receita e a América Latina com um aumento de quase 50% na receita de streaming – tudo isso faz com que a indústria observe com muita expectativa os próximos movimentos.

Importante enfatizar que este relatório utiliza critérios baseados em detenção de direitos, e não em vendas feitas pelos canais de distribuição.

Esta é uma distinção crucial, pois tendo em vista que as companhias independentes usam as grandes gravadoras (ou empresas de propriedade das grandes gravadoras) para distribuir sua música, estas grandes gravadoras incluem o valor da receita derivada da distribuição dos direitos dos independentes na mensuração do seu próprio mercado.

A análise da WINTEL à luz da detenção dos direitos, portanto, promove uma visão mais exata do mercado.

Isto também é relevante porque o tamanho do mercado é usado pelas empresas líderes de música digital como Apple, Google e Spotify em negociações com o setor independente, eventualmente determinando o nível de remuneração pago por estas empresas aos detentores dos direitos musicais.

Ao final de 2017 os serviços de assinatura de streaming de música atingiram 176 milhões de assinantes globalmente, comparados a 64 milhões em 2016. Este crescimento incrementou a receita das companhias independentes em 46% em 2017, atingindo US$3.1 bi.

É extremamente provável que o streaming represente mais de 50% da receita das companhias de música independente num futuro próximo; as vendas físicas continuam a cair.

Uma razão provável para este crescimento contínuo é o fato de que os selos independentes se ajustaram para acomodar e tirar proveito do ambiente de streaming, com 47% dos participantes da pesquisa respondendo que isto melhorou significativamente seu fluxo de caixa, um número que se eleva a 73% para selos nos quais streaming já representa mais de 30% de sua receita.

Uma outra conclusão positiva e interessante da pesquisa é que 76% dos artistas que assinaram com selos independentes decidiram renovar seus contratos.  Isto é sem dúvida um reflexo da estabilidade encontrada nos selos que estão trabalhando com tais artistas.  As respostas demonstram que 42% das equipes nas companhias independentes permanecem por lá desde o início da empresa, um fato a destacar considerando que a média dos selos independentes tem 14.9 anos de existência.

Também é válido refletir sobre o que define “independente” em 2018 – o termo está certamente evoluindo na indústria da música, e além de selos, o termo agora inclui os chamados artistas “autoprodutores”, que estão lançando por conta própria sua música através dos distribuidores do mercado.

O WINTEL 2018 revela que a renda dos artistas que se “auto lançam” cresceu de US$94 milhões em 2016 para US$101 milhões em 2017. Como estes artistas constroem times ao seu redor para exercer funções típicas de selos, este setor da comunidade da música independente tende a crescer significativamente.

Alison Wenham, CEO da WIN afirma: “_Com 2018 chegando ao fim, estamos felizes em publicar a terceira edição do relatório anual WINTEL, que destaca o mercado global independente crescendo impressionantes 39.9% em 2017, um número que ultrapassa tanto as grandes gravadoras quando o setor de música como um todo. Há inúmeras informações interessantes a extrair desta pesquisa, mas uma coisa que realmente me chamou a atenção foi o fato de 76% dos artistas escolherem renovar seus contratos com seus selos, o que demonstra que os independentes estão estreitando fortes laços com os artistas que representam. Mais doze meses se passaram, turbulentos para nossa indústria em muitos aspectos, mas surgiram novas legislações poderosas para proteger nossos negócios, houve um crescimento fantástico em alguns territórios inesperados, e o suporte contínuo dos fãs de música que continuaram a desfrutar e a se conectar com a música incrível que vem da comunidade global independente.”

“Este terceiro relatório da WIN é uma demonstração de força do setor da música independente global. Uma indústria sem números é uma indústria desempoderada. Diante desta realidade e do crescimento consistente das plataformas digitais, uma de nossas prioridades para 2019 será um estudo ainda mais aprofundado da produção musical brasileira e do perfil do produtor independente local.”
(Carlos Mills, Presidente da ABMI – Associação Brasileira da Música Independente).

WINTEL 2018 para impressão e visualização online:

 WINTEL está disponível para impressão e online em www.winformusic.org.

Para mais informação:

Andy Saunders

Velocity Communications
Tel: + 44 (0) 7939 133050
andy@velocitypr.co.uk

 

Sobre WIN

Worldwide Independent Network (WIN) é a entidade que coordena Associações Internacionais de Música Independente, representando o mercado de música gravada ao redor do mundo. Lançada em 2006 em resposta ao negócio global e aos desafios enfrentados pelo setor independente, a WIN advoga coletivamente, instiga e facilita em favor de seus associados. www.winformusic.org