fbpx

Billboard’s 2019 – Lista dos 100 mais poderosos da música

A Billboard anunciou os 100 nomes mais poderosos da indústria da música de 2019.

A volta da música gravada, impulsionada pelo streaming, está expandindo todo o negócio, abalando hierarquias estabelecidas e criando novos influenciadores. Este ano, 55 novas caras se juntam ao ranking anual da Billboard de influenciadores da indústria da música. PLUS: Apresentando também os poderosos da nova geração – 25 disruptores que definirão o futuro da música.

Martin Mills, Fundador da Beggars Group, esteve no Rio Music Market 2018. Charles Caldas, CEO da Merlin, confirmou presença no Rio Music Market deste ano. Ambos fazem parte da lista dos mais poderosos de 2019.

O que mudou em relação à lista do ano passado:

Embora executivos entrem, saiam, subam e desçam na lista dos 100 mais poderosos todo ano em função de sua performance, alguns que tem aparecido constantemente em listas anteriores não foram incluídos este ano, especificamente devido a uma decisão editorial de reorientar os 100 poderosos essencialmente para companhias da indústria da música. Em função disso, executivos de marcas como Citi, American Express e MAC Presents, e também agentes de shows, não foram incluídos. Os executivos da Dick Clark Productions tampouco foram considerados este ano porque são sócios de uma empresa ligada à Billboard.

Metodologia:

Um comitê de editores e repórteres da Billboard avaliaram uma variedade de fatores para determinar o ranking da lista de poderosos de 2019, incluindo mas não limitado aos Artistas Principais e às Turnês Principais  da Billboard 2018. Indicações feitas por colegas, pares e superiores; impacto em comportamento do consumidor medido através de gráficos, vendas e e streaming; impressões nas redes sociais; audiência alcançada em rádio e TV; trajetória de carreira; e impacto geral na indústria, utilizando dados disponíveis até 24/jan/2019.

Os rankings da agência se basearam em parte na análise dos primeiros 125 artistas em turnê segundo números reportados pelo Boxscore da Billboard no período entre 1/Jan/2018 e 24/Jan/2019.  Sempre que disponíveis, relatórios financeiros foram levados em conta. A distribuição de mercado da música gravada nos EUA foi consultada usando a fonte da Nielsen Music para as unidades de consumo  álbum+faixa e streaming. O ranking bimestral das primeiras dez editoras  da Billboard também foi considerado. Exceto por alguma notificação específica, Billboard Boxscore e Nielsen Music são as fontes para o dado bruto sobre turnês e vendas/streaming, respectivamente. Exceto se especificado, números de streaming de álbuns citados representam o coletivo dos totais de áudio sob demanda nos EUA para aquela faixa do álbum. Números sobre  streaming de Canção/Artista representam a combinação do total de áudio e vídeo sob demanda nos EUA.

Segue a lista:

1. Lucian Grainge, Chairman/CEO, Universal Music Group

2. Michael Rapino, President/CEO, Live Nation Entertainment

3. Daniel Ek, Founder/CEO, Spotify; Dawn Ostroff, Chief Content Officer, Spotify; Barry McCarthy, CFO, Spotify; Horacio Gutierrez, General Counsel/VP Business and Legal Affairs, Spotify; Nick Holmstén, Global Head of Music, Spotify

4. Irving Azoff, Chairman/CEO, The Azoff Company; Jeffrey Azoff, Partner, Full Stop Management

5. Rob Stringer, CEO, Sony Music Entertainment

6. Steve Cooper, CEO, Warner Music Group; Max Lousada, CEO of Recorded Music, WMG

7. Oliver Schusser, VP Apple Music and International Content, Apple; Amanda Marks, Global Head of Business Development and Music Partnerships, Apple; Zane Lowe, Global Creative Director/Host, Apple Music; Larry Jackson, Global Creative Director, Apple Music; Bebhinn Gleeson, Global Director of Original Content, Apple Music; Rachel Newman, Global Director of Editorial, Apple Music

8. Jon Platt, Incoming Chairman/CEO, Sony/ATV Music Publishing

9. Craig Kallman, Chairman/CEO, Atlantic Records; Julie Greenwald, Chairman/COO, Atlantic Records; Mike Kyser, President of Black Music, Atlantic Records; Kevin Weaver, President of West Coast, Atlantic Records

10. Boyd Muir, CFO/Executive vp/President of Operations, Universal Music Group; Michele Anthony, Executive vp, UMG; Jeffrey Harleston, Executive vp Business and Legal Affairs/General Counsel, UMG; Michael Nash, Executive vp Digital Strategy, UMG

11. Monte Lipman, Co-Founder/CEO, Republic Records; Avery Lipman, Co-Founder/President, Republic Records

12. Coran Capshaw, Founder, Red Light Management

13. Steve Boom, Vice President, Amazon Music; Ryan Redington, Director, Amazon Music

14. Jody Gerson, Global Chairman/CEO, Universal Music Publishing Group

15. John Janick, Chairman/CEO, Interscope Geffen A&M; Steve Berman, Vice Chairman, Interscope Geffen A&M; Joie Manda, Executive vp, Interscope Geffen A&M

16. Scooter Braun, Founder, SB Projects

17. Martin Bandier, Chairman/CEO, Sony/ATV Music Publishing

18. Steve Barnett, Chairman/CEO, Capitol Music Group; Michelle Jubelirer, COO, CMG; Ashley Newton, President, CMG; Ethiopia Habtemariam, President, Motown Records

19. Guy Oseary, 46, Co-Founder/Principal, Maverick Management

20. Jay Marciano, COO, AEG; Chairman/CEO, AEG Presents; Rick Mueller, President of North America, AEG Presents; John Meglen, Paul Gongaware, Co-CEOs, Concerts West/AEG Presents

21. Louis Messina, CEO, Messina Touring Group

22. Dennis Kooker, President of Global Digital Business and U.S. Sales, Sony Music Entertainment; Kevin Kelleher, COO, SME; Julie Swidler, Executive vp Business Affairs/General Counsel, SME

23. Stu Bergen, CEO of International and Global Commercial Services, Warner Music Group; Eric Levin, Executive vp/CFO, WMG; Ole Obermann, Executive vp Business Development/Chief Digital Officer, WMG; Paul Robinson, Executive vp/General Counsel, WMG

24. Denis Desmond, Chairman of the United Kingdom and Ireland, Live Nation; Arthur Fogel, Chairman of Global Music, President of Global Touring, Live Nation; Bob Roux, President of U.S. Concerts, Live Nation; Russell Wallach, Global President of Media and Sponsorship, Live Nation; Kathy Willard, CFO, Live Nation

25. Guy Moot, Incoming Co-Chair/CEO, Warner/Chappell Music Publishing; Carianne Marshall, Co-Chair/COO, Warner/Chappell Music Publishing

26. Rob Light, Partner/Managing Director/Head of Music, Creative Artists Agency; Darryl Eaton, Mitch Rose, Rick Roskin, Co-Heads of Contemporary Music for North America, CAA

27. Marc Geiger, Partner/Head of Music, WME; Sara Newkirk Simon, Kirk Sommer, Partners/Co-Heads of Music, WME; Brent Smith, Partner, WME

28. Scott Greenstein, President/Chief Content Officer, SiriusXM Holdings Inc.

29. Elizabeth Matthews, CEO, ASCAP; Michael O’Neill, President/CEO, BMI

30. Bob Pittman, Chairman/CEO, iHeartMedia Inc.; John Sykes, President of Entertainment Enterprises, iHeartMedia​; Tom Poleman, Chief Programming Officer/President of National Programming Group, iHeartMedia

31. Hartwig Masuch, CEO, BMG

32. Aaron Bay-Schuck, Co-Chairman/CEO, Warner Bros. Records; Tom Corson, Co-Chairman/COO, Warner Bros. Records

33. Peter Edge, Chairman/CEO, RCA Records; John Fleckenstein, Joe Riccitelli, Co-Presidents, RCA Records

34. Ron Perry, Chairman/CEO, Columbia Records; Jenifer Mallory, GM, Columbia Records

35. Sylvia Rhone, President, Epic Records

36. Mike Dungan, Chairman/CEO, Universal Music Group Nashville; Cindy Mabe, President, Universal Music Group Nashville

37. Randy Goodman, Chairman/CEO, Sony Music Nashville

38. Susan Wojcicki, CEO, YouTube; Robert Kyncl, Chief Business Officer, YouTube; Lyor Cohen, Global Head of Music, YouTube

39. Cussion Pang, CEO/Director, Tencent Music Entertainment; Andy Ng, Group vp, Copyright Management; Tencent Music Entertainment

40. Dave Rocco, Executive vp Creative, Universal Music Group; Celine Joshua, GM of Commercial, Content and Artist Strategy, UMG

41. Shawn “Jay-Z” Carter, Founder, Roc Nation; Jay Brown, CEO, Roc Nation; Desiree Perez, COO, Roc Nation

42. David Israelite, President/CEO, National Music Publishers’ Association; Danielle Aguirre, Executive vp/General Counsel, NMPA

43. Elizabeth Collins, Susan Genco, Co-Presidents, The Azoff Company

44. Mitch Glazier, Chairman/CEO, RIAA

45. Randy Grimmett, Partner/CEO, Global Music Rights; John Josephson, Chairman/CEO, SESAC

46. Future The Prince, Manager, Drake; Noah “40” Shebib, Producer; Co-Founder, OVO Sound

47. Paul Rosenberg, Chairman/CEO, Def Jam Recordings; Co-Founder/President, Shady Records; CEO, Goliath Artists

48. Stuart Camp, Manager, Ed Sheeran

49. Paul Tollett, President, Goldenvoice Productions

50. Pierre “P” Thomas, CEO, Quality Control Music; Kevin “Coach K” Lee, COO, Quality Control Music

51. Scott Borchetta, Founder/President/CEO, Big Machine Label Group

52. Joel Katz, Founding Chairman of the Global Entertainment and Media Practice, Greenberg Traurig

53. Dre London, Founder, London Ent.

54. Bryan “Birdman” Williams, Ronald “Slim” Williams, Co-Founders/Co-CEOs, Cash Money Records

55. Scott Pascucci, CEO, Concord; Tom Whalley, Chief Label Executive, Concord; Jake Wisely, Chief Publishing Executive, Concord

56. Mike Caren, Founder/CEO, Artist Partner Group

57. John Branca, Partner/Head of the Music Department, Ziffren Brittenham

58. Allen Grubman, Kenny Meiselas, Senior Partners, Grubman Shire Meiselas & Sacks

59. Doug Morris, Founder, 12 Tone Music

60. Tamara Hrivnak, Head of Music Business Development and Partnerships, Facebook; Malika Quemerais, Head of Music Partnerships, Facebook; Lauren Wirtzer-Seawood, Head of Music Partnerships, Instagram

61. David Field, Chairman/President/CEO, Entercom​; Pat Paxton, President of Programming, Entercom

62. Martin Mills, Founder/Chairman, Beggars Group

63. Anthony “Top Dawg” Tiffith, Founder/CEO, Top Dawg Entertainment

64. Willard Ahdritz, Founder/CEO, Kobalt

65. Laurie Jacoby, Senior vp New York Concerts and Entertainment, Madison Square Garden

66. Marty Diamond, Corrie Christopher Martin, Matt Galle, Jonathan Levine, Music Executive Leadership Group, Paradigm Talent Agency

67. Darcus Beese, President, Island Records; Eric Wong, COO, Island Records

68. David Massey, President/CEO, Arista Records

69. John Esposito, Chairman/CEO, Warner Music Nashville

70. Afo Verde, Chairman/CEO, Sony Music Latin Iberia

71. Mike Easterlin, Gregg Nadel, Co-Presidents, Elektra Music Group

72. Dennis Arfa, Chairman, Artist Group International; Marsha Vlasic, President, AGI; Adam Kornfeld, President of Touring for North America, AGI

73. Jesús López, Chairman/CEO, Universal Music Latin America & Iberian Peninsula

74. Ralph Peer II, Chairman/CEO, peermusic​; Mary Megan Peer, Deputy CEO, peermusic

75. Cliff Burnstein, Peter Mensch, Co-Founders, Q Prime

76. Marc Cimino, COO, Universal Music Publishing Group

77. Henry Cárdenas, Founder/CEO, Cárdenas Marketing Network

78. David Zedeck, Global Head of Music, United Talent Agency; Natalia Nastaskin, GM of Global Music Group, UTA; Ken Fermaglich, Partner/Agent, UTA; Cheryl Paglierani, Agent, UTA

79. Steve Levine, Rob Prinz, Partners/Co-Heads of Worldwide Concerts, ICM Partners; Mark Siegel, Partner/Head of Music, ICM Partners; Robert Gibbs, Partner/Music Agent, ICM Partners

80. Michael Huppe, President/CEO, SoundExchange

81. Charles Caldas, CEO, Merlin

82. Cara Lewis, Owner/Founder, Cara Lewis Group

83. Mary G. Berner, President/CEO, Cumulus Media

84. Daniel Glass, Founder/President, Glassnote

85. Danny Strick, Rick Krim, Co-Presidents of U.S., Sony/ATV Music Publishing; Brian Monaco, President/Global Chief Marketing Officer, Sony/ATV Music Publishing

86. Don Passman, Partner, Gang Tyre Ramer Brown & Passman

87. Jacqueline Charlesworth, Of Counsel, Covington & Burling​; Dina LaPolt, Founder/Owner, LaPolt Law

88. Jared Smith, President, North America; Ticketmaster; David Marcus, Executive vp/Head of Music, Ticketmaster

89. Gee Roberson, Co-CEO, The Blueprint Group; Partner, Maverick; Shawn Gee, President, Live Nation Urban; Partner, Maverick; Jean Nelson, President, The Blueprint Group

90. Jacqueline Saturn, President, Caroline/Harvest Records

91. Helen Murphy, CEO, ole Media Management

92. Jason Owen, President/CEO, Sandbox Entertainment; Co-President, Monument Records

93. Walter Kolm, Founder/President, WK Entertainment

94. Pasquale Rotella, Founder/CEO, Insomniac Events

95. Iñigo Zabala, President, Warner Music Latin America & Iberia

96. Russell Faibisch, Co-Founder/Chairman/CEO/Executive Producer, ULTRA Worldwide; Adam Russakoff, Executive Producer/Director of Business Affairs, ULTRA Worldwide

97. Randy Phillips, President/Director/CEO, LiveStyle

98. Raúl Alarcón Jr., President/Chairman/CEO, Spanish Broadcasting System

99. Rebeca León, CEO, Lionfish Entertainment

100. Neil Portnow, President/CEO, The Recording Academy

Mais informações em: https://www.billboard.com/biz/articles/8497227/billboards-2019-power-100-list-revealed

WINTEL 2018 anuncia a mais recente e abrangente análise de mercado independente global.

WIN            ABMI

WINTEL 2018 anuncia a mais recente e abrangente análise de mercado independente global.

Os independentes agora representam 39.9% do mercado de música gravada no mundo.

Receitas cresceram 10,9% em relação ao ano anterior, receita global de streaming cresceu 46% ano a ano.

Londres, 4 de dezembro de 2018 – WINTEL 2018 é o terceiro relatório produzido pela WIN (Worldwide Independent Network), mapeando o mercado global independente em relação à propriedade de fonogramas, e não em relação aos canais de distribuição.

Este novo relatório desenvolvido para analisar o impacto econômico e cultural do setor da música independente foi criado a pedido da WIN por Mark Mulligan da MIDiA Research e editado pela Music Ally (Reino Unido). Os resultados, colhidos em 33 países, representam a mais abrangente pesquisa global do setor de gravadoras independentes feita até hoje.

O estudo mostra que o mercado independente cresceu 39,9% em 2017.

As receitas globais também cresceram de US$6.2 bilhões em 2016 para US$6.9 bilhões em 2017, demonstrando um forte crescimento ano a ano de 10,9%. É importante ressaltar que o setor independente teve uma performance superior ao do mercado de música como um todo, que cresceu 10,2% no último ano.

O rápido crescimento dos chamados mercados emergentes – com a China apresentando um crescimento de 36% em faturamento, Ásia e Austrália assistindo a um pico de 5,4% em receita e a América Latina com um aumento de quase 50% na receita de streaming – tudo isso faz com que a indústria observe com muita expectativa os próximos movimentos.

Importante enfatizar que este relatório utiliza critérios baseados em detenção de direitos, e não em vendas feitas pelos canais de distribuição.

Esta é uma distinção crucial, pois tendo em vista que as companhias independentes usam as grandes gravadoras (ou empresas de propriedade das grandes gravadoras) para distribuir sua música, estas grandes gravadoras incluem o valor da receita derivada da distribuição dos direitos dos independentes na mensuração do seu próprio mercado.

A análise da WINTEL à luz da detenção dos direitos, portanto, promove uma visão mais exata do mercado.

Isto também é relevante porque o tamanho do mercado é usado pelas empresas líderes de música digital como Apple, Google e Spotify em negociações com o setor independente, eventualmente determinando o nível de remuneração pago por estas empresas aos detentores dos direitos musicais.

Ao final de 2017 os serviços de assinatura de streaming de música atingiram 176 milhões de assinantes globalmente, comparados a 64 milhões em 2016. Este crescimento incrementou a receita das companhias independentes em 46% em 2017, atingindo US$3.1 bi.

É extremamente provável que o streaming represente mais de 50% da receita das companhias de música independente num futuro próximo; as vendas físicas continuam a cair.

Uma razão provável para este crescimento contínuo é o fato de que os selos independentes se ajustaram para acomodar e tirar proveito do ambiente de streaming, com 47% dos participantes da pesquisa respondendo que isto melhorou significativamente seu fluxo de caixa, um número que se eleva a 73% para selos nos quais streaming já representa mais de 30% de sua receita.

Uma outra conclusão positiva e interessante da pesquisa é que 76% dos artistas que assinaram com selos independentes decidiram renovar seus contratos.  Isto é sem dúvida um reflexo da estabilidade encontrada nos selos que estão trabalhando com tais artistas.  As respostas demonstram que 42% das equipes nas companhias independentes permanecem por lá desde o início da empresa, um fato a destacar considerando que a média dos selos independentes tem 14.9 anos de existência.

Também é válido refletir sobre o que define “independente” em 2018 – o termo está certamente evoluindo na indústria da música, e além de selos, o termo agora inclui os chamados artistas “autoprodutores”, que estão lançando por conta própria sua música através dos distribuidores do mercado.

O WINTEL 2018 revela que a renda dos artistas que se “auto lançam” cresceu de US$94 milhões em 2016 para US$101 milhões em 2017. Como estes artistas constroem times ao seu redor para exercer funções típicas de selos, este setor da comunidade da música independente tende a crescer significativamente.

Alison Wenham, CEO da WIN afirma: “_Com 2018 chegando ao fim, estamos felizes em publicar a terceira edição do relatório anual WINTEL, que destaca o mercado global independente crescendo impressionantes 39.9% em 2017, um número que ultrapassa tanto as grandes gravadoras quando o setor de música como um todo. Há inúmeras informações interessantes a extrair desta pesquisa, mas uma coisa que realmente me chamou a atenção foi o fato de 76% dos artistas escolherem renovar seus contratos com seus selos, o que demonstra que os independentes estão estreitando fortes laços com os artistas que representam. Mais doze meses se passaram, turbulentos para nossa indústria em muitos aspectos, mas surgiram novas legislações poderosas para proteger nossos negócios, houve um crescimento fantástico em alguns territórios inesperados, e o suporte contínuo dos fãs de música que continuaram a desfrutar e a se conectar com a música incrível que vem da comunidade global independente.”

“Este terceiro relatório da WIN é uma demonstração de força do setor da música independente global. Uma indústria sem números é uma indústria desempoderada. Diante desta realidade e do crescimento consistente das plataformas digitais, uma de nossas prioridades para 2019 será um estudo ainda mais aprofundado da produção musical brasileira e do perfil do produtor independente local.”
(Carlos Mills, Presidente da ABMI – Associação Brasileira da Música Independente).

WINTEL 2018 para impressão e visualização online:

 WINTEL está disponível para impressão e online em www.winformusic.org.

Para mais informação:

Andy Saunders

Velocity Communications
Tel: + 44 (0) 7939 133050
[email protected]

 

Sobre WIN

Worldwide Independent Network (WIN) é a entidade que coordena Associações Internacionais de Música Independente, representando o mercado de música gravada ao redor do mundo. Lançada em 2006 em resposta ao negócio global e aos desafios enfrentados pelo setor independente, a WIN advoga coletivamente, instiga e facilita em favor de seus associados. www.winformusic.org

Participação da ABMI no painel sobre o mercado independente latino americano

Fluvial - Conferencia y Festival de Música

Nos dias 29 e 30 de Novembro acontece na cidade de Valdívia o Conferência Fluvial. Ao longo da conferencia será discutida entre a ABMI, IMICHILE, Asiar (argentina) e representantes da Colômbia e do Peru a formação de um bloco LATAM de Associações de Música Independente.

Carlos Mills, presidente da ABMI, participará do painel sobre o mercado independente latino americano.  Discussão sobre a realidade do setor fonográfico independente em diferentes territórios e a necessidade de avançar para a associatividade continental e global.

Palestrantes do painel: Nicolás Madoery (Argentina) ASIAr / Henriette Heimdal (Noruega) WIN / Carlos Mills (Brasil) ABMI, Kathrine Besgrove (Austrália) AIR, Francisca Sandoval (Chile) IMICHILE. Diego Boris Macciocco (Argentina), INAMU.
Moderador: Oliver Knust (Chile) Fluvial, IMICHILE.

Para conhecer todos os participantes e a programação acesse fluvial.cl/2018/delegados

Fluvial - Conferencia y Festival de Música
A Fluvial tem o apoio da WIN (winformusic.org).

Reformas dos Direitos Autorais na União Europeia preservarão o ecossistema criativo

Helen Smith Executive Chair, Impala — The Independent Music Companies Association, Brussels, Belgium

Criadores e cidadãos desfrutam de uma relação única online. Como companias de música independente, vemos criadores, usuários e plataformas como partes essenciais de um incrível ecossistema criativo.

Recentemente ouvimos da Susan Wojcicki, CEO do Youtube, que deveríamos nos amedrontar com as diretivas sobre direitos autorais propostas pela União Europeia (“A União Europeia deveria mudar seus planos irreais sobre direitos autorais”). Longe de ameaçar nosso ecossistema, no entanto, as diretivas vão clarear as coisas, de forma mais justa e sustentável para todos. Como o próprio Financial Times comentou no editorial de julho, a reforma é realmente necessária.

Primeiro, ela confirma o que as cortes europeias já disseram. Esclarece que a responsabilidade não pode recair apenas sobre o usuário e o dono do conteúdo, mas também sobre as plataformas que dão acesso ao trabalho. Essa é a parte clara. A diretiva também trata do abismo de valor – a diferença entre o valor econômico produzido por um trabalho artístico ou uma música, e o dinheiro que retorna a seu criador. As plataformas terão que praticar as mesmas regras. Não mais transações do tipo “pegar ou largar”. Mesmas regras para todos, isso em relação à justiça.

Estamos preocupados com que as novas diretivas tirem nossos empregos? Não. Pelo contrário, o aumento da remuneração para trabalhos criativos disponibilizados nas plataformas tornará mais fácil para os artistas e seus parceiros prosperarem. Tememos que as plataformas vão lidar apenas com empresas grandes? Não. As diretivas nivelam o campo de forma que todos possamos negociar num ambiente de licenciamento normal. É assim que se cria um ecossistema sustentável para todos. Isso inclui os artistas que você ainda não escutou.

Para o Youtube e outras plataformas, há uma quantidade de salvaguardas nos muitos textos que estão sobre a mesa. Agora precisamos deixar que os tomadores de decisão cheguem a um acordo sobre a receita final para atingir o equilíbrio. Não se deve tratar de proteger o modelo de negócio de uma única plataforma. Os números recentes do Youtube estão desenhados para ofuscar, mas os resultados dos nossos associados mostram que para cada 1 EURO do Youtube, o Spotify paga 10 EUROS.

Esta diretiva levou anos sendo elaborada – os tomadores de decisão sabem quais são as respostas. Agora podemos agir rápido e nem precisamos destruir modelos. Não vamos nos distrair. Vamos tornar o mundo online mais claro, mais justo e mais sustentável para todos.

Helen Smith Executive Chair, Impala — The Independent Music Companies Association, Brussels, Belgium

Helen Smith Executive Chair, Impala — The Independent Music Companies Association, Brussels, Belgium
Helen Smith Executive Chair, Impala — The Independent Music Companies Association, Brussels, Belgium

Fonte: https://www.ft.com/content/27b4d7c4-e76a-11e8-8a85-04b8afea6ea3