fbpx

WIN e IFPI Anunciam Sistema de Gestão de Dados Mundial Unificado

WIN e IFPI  anunciam hoje projeto de criação de um sistema de gestão de dados centralizado para a música, o ‘Repertoire Data Exchange’ (RDx). O RDx vai permitir que gravadoras, selos e entidades de gestão coletiva (MLCs) possam submeter e acessar dados sobre fonogramas a partir de uma única fonte certificada.

As gravadoras têm historicamente utilizado uma variedade de processos e padrões para fornecer dados para as entidades de gestão coletiva em todo o mundo, o que torna o processo moroso e pouco eficiente. Com o RDx, entidades de gestão coletiva de todos os tamanhos e de qualquer país poderão acessar dados a partir de uma única fonte certificada. Será utilizado o padrão DDEX MLC. A medida vai trazer melhorias na confiabilidade e na eficiência da gestão dos dados.

A partir de um rigoroso processo seletivo, a IFPI e a WIN selecionaram a britânica PPL para administrar o RDx.

Frances Moore, CEO da IFPI:

“As gravadoras continuam a investindo e melhorando a precisão e a gestão dos dados, em diversas áreas da indústria. RDx é um exemplo típico de uma iniciativa que vai beneficiar a todos os envolvidos. Vai melhorar o desempenho e diminuir os custos para os titulares, ao mesmo tempo em que vai permitir que as entidades de gestão coletiva acessem dados certificados de repertório a partir de uma fonte única – proporcionando pagamentos mais rápidos e mais precisos. Estamos muito agradecidos às entidades de gestão coletiva e às gravadoras parceiras que vêm trabalhando em estreita colaboração conosco. Estamos ansiosos para trazer mais entidades de gestão coletiva e mais titulares, conforme o serviço comece a funcionar.”

Charlie Phillips, COO da WIN:

“Direitos de execução pública são cada vez mais importantes para as gravadoras independentes.  Com a música se tornando global, o repertório dos independentes vem se tornando cada vez mais importante fora de seu território de origem.  Historicamente, a gestão internacional de dados mostra-se complicada para os produtores independentes. Por esta razão a WIN está apoiando o desenvolvimento do RDx desde a sua concepção inicial, iniciada há muitos anos atrás.  Estamos muito satisfeitos com o trabalho conjunto que a indústria desenvolveu para criar um serviço que beneficia a todos.  Aguardamos com otimismo as próximas etapas desta colaboração com a IFPI, que promete muitos benefícios conforme o RDx vai ganhando escala.”

Peter Leathem, CEO da PPL (TBC):

“Temos investido muito em tecnologia e processamento de dados ultimamente, o que nos proporcionou liderar o desenvolvimento do RDx, de modo complementar às nossas operações normais. Estamos bem posicionados para ajudar a IFPI e a WIN a enfrentar os desafios de Big Data, a partir de nosso experiência com DDEX, nosso relacionamento com os titulares ao redor do mundo e nosso expertise gerenciando gigantescos volumes de dados fonográficos a cada semana. Este é um passo importante para a gestão de dados em nível global e estamos orgulhosos de fazer parte desta solução inovadora de iniciativa da IFPI e da WIN.”

RDx é o resultado da colaboração de um amplo grupo de entidades da indústria, liderados pela IFPI e pela WIN. O desenvolvimento do RDx recebe o apoio técnico do seguinte grupo: Beggars Group, PIAS, Sony Music Entertainment, Universal Music Group, Warner Music Group e Consolidated Independent/State51, PPL, Re:Sound, SENA e Gramex Finland. O início das operações está previsto para 2020.

IFPI é a organização que promove os interesses da indústria internacional da música.  Possui cerca de 1300 membros, espalhados por quase 60 países. A missão da IFPI é valorizar a música gravada, advogar em favor dos produtores musicais e expandir o uso comercial da música em todos os mercados onde seus membros operam.

A missão da WIN é apoiar as associações de produtores musicais independentes. Fundada em 2006 em resposta aos desafios de acesso ao mercado global por parte dos independentes, a WIN tem entre seus membros estão as associações mais ativas dos principais mercados de música do mundo: ABMI (Brasil), A2IM (Estados Unidos), AIR (Australia), CIMA (Canada), IMCJ (Japão), IMICHILE (Chile), IMNZ (Nova Zelandia), LIAK (Coreia do Sul) e IMPALA (Europa).

Amazon Music é lançada no Brasil

Na madrugada de 9 para 10 de setembro a Amazon lançou no Brasil sua plataforma de streaming de música, a Amazon Music. A exemplo das concorrentes já atuantes no país, como Spotify, Apple Music, Deezer etc, a Amazon Music chega com opções de plano mensal individual por R$ 16,90 ou o plano família por R$ 25,90, ambos na opção Music Unlimited. Também há a opção de pagar por 12 meses com desconto.

A Amazon Music, que anuncia um catálogo com mais de 50 milhões de músicas, estreia no Brasil já com um direcionamento para o mercado nacional. Playlists de MPB, Sertanejo, Pagode e outros gêneros brasileiros estão em destaque na plataforma, assim como destaque para artistas brasileiros, como Thiaginho e Tiê.

Além da assinatura individual e familiar, a Amazon oferece a modalidade “Prime Music”, exclusiva para quem assinar o também recém-chegado ao Brasil “Amazon Prime”. Neste serviço, que custa R$ 9,90 por mês ou R$ 89,90 por ano, o usuário tem vantagens com frete grátis e promoções especiais no site, além de acesso ao Prime Video (plataforma de filmes e séries), Prime Reading (revistas) e Twitch Prime (plataforma de jogos ao vivo).

Ao contrário dos outros serviços que são oferecidos sem limitações, o Prime Music tem um catálogo bastante reduzido, de aproximadamente 2 milhões de músicas, segundo a própria Amazon. Com menos de 5% do catálogo do player em relação ao modo Unlimited, o Music Prime mostra-se bastante restrito. Numa primeira navegação, artistas de renome figuram com apenas alguns poucos álbuns, identificados como os mais populares. Já artistas com discografia com menos álbuns, aparecem bloqueados para usuários Prime.

A navegabilidade e os recursos são bem similares à concorrência, com opções de download dos álbuns, seleção da qualidade do áudio, criação e visualização de playlists etc.

Apple Music for Artists é lançado oficialmente

Lançado no ano passado em versão beta, a Apple disponibilizou há poucos dias o Apple Music for Artists em versão oficial. Ainda não disponível em português, a ferramento pode ser acessada pelo computador (https://artists.apple.com) ou pelos aplicativos para Android e iOS.

Pelo serviço é possível ter acesso a estatísticas sobre músicas e vídeos, tais como reproduções, faixas de público, dados geográficos, inclusão em playlists etc.

Também é possível modificar a imagem principal do artista pelo painel de controle. Este recurso ainda apresenta alguns problemas para corte e redimensionamento da imagem através do aplicativo. O ideal é editar a foto num editor de imagens e já enviar no formato correto.

Com o Apple Music for Artists, a Apple se junta ao Spotify, que já mantém há algum tempo o Spotify for Artists. A Deezer também promete lançar a sua plataforma de gerenciamento de artistas.

Spotify lança seu primeiro hardware “Spotify Car Thing” para streaming de música e podcasts em carros

Spotify anunciou seu primeiro hardware para consumidores: um alto falante controlado por voz para carros que fará streaming de música e podcasts.  Entretanto, o “Car Thing” ainda não é um produto comercial. Está sendo usado em fase de teste nos EUA por um grupo reduzido de usuários premium convidados pelo Spotify, de acordo com a companhia.

Spotify divulgou seu primeiro hardware para consumidores: um alto falante controlado por voz para carros que fará streaming de música e podcasts.  Entretanto, “Car Thing” ainda não é um produto comercial. Está sendo usado em fase de teste nos EUA por um grupo reduzido de usuários premium convidados pelo Spotify, de acordo com a companhia.

Os convidados instalarão o Car Thing em seus carros, e os dados de como eles usam o dispositivo serão enviados de volta ao Spotify, para ampliar o entendimento do que os motoristas escutam, o que servirá de feedback para características futuras do produto.

“Sabemos que há especulações sobre nossos planos de futuro, mas o Car Thing foi desenvolvido para nos ajudar a entender melhor como as pessoas ouvem música e podcasts enquanto dirigem” – é o que informa a Spotify num post de seu blog recentemente. “Nosso foco continua sendo permanecermos a plataforma número 1 do mundo em audição de música – e não em criar hardware. “

Há uma lógica clara no fato do Spotify desenvolver seu próprio hardware, ainda que apenas para fins de pesquisa. A estratégia atual da empresa é ser uma “plataforma onipresente”, disponibilizando seus serviços em tanto dispositivos quanto possível, de smartphones a alto falantes inteligentes. Spotify já pode ser definido com o serviço de streaming preferencial para Amazon Echos e alto falantes Google Home, e pode ser executado através do Apple HomePod via a funcionalidade AirPlay. No entanto, os dados que o Spotify coleta a respeito de como os usuários usam o serviço, nestes casos, são limitados.

Se, conforme muitos de nós suspeitamos, fatalmente o Spotify “terá” que criar seu próprio hardware para comercialização, vai precisar de uma primeira leva confiável de dados sobre como as pessoas interagem com tal dispositivo. Primeiro o Car Thing… e parece que outros dispositivos virão.

O Car Thing  claramente adere à estratégia de longo prazo do Spotify para carros. O CEO Daniel Ek comentou numa entrevista para CNBC em Fevereiro de 2019:

“Estamos indo muito bem na estratégia para carros. O último número que apuramos foi que mais de 50 milhões de nossos usuários estão usando Spotify no carro. Então de fato é uma parte importante dos nossos negócios. Percebemos que esse número cresce incrivelmente na medida em que novos alto falantes são lançados e os carros se tornam mais e mais conectados. Então é realmente importante para  nossa história. “

Assinatura de streaming hoje é mais da metade da receita dos selos do Reino Unido

Novos números BPI (British Fonographic Industry) mostram que assinaturas de streaming representaram 54% da receita dos selos britânicos em 2018. A receita destas assinaturas cresceu 34.9% na comparação ano a ano, para um total de 467,6M de Libras (em torno de US$ 615M). Esse resultado contribuiu para um crescimento de 32.8% no total de receitas de streaming de música para os selos, somando 516,4M de Libras, sendo que streamings baseados em propaganda geraram 19,1M de Libras (crescimento de 25,8%) e streamings de vídeo geraram 29,7M de Libras (crescimento de apenas 9,9%).

Olhando a cena como um todo: crescimento de 3,1% em receita dos selos no último ano, total de 865,5M de Libras, com o crescimento do streaming superando as quedas agudas na venda de CD (queda de 28,4% em receita comercial) e downloads (queda de 27,9%). Com o debate do abismo de valores em mente, a BPI estima que houve mais de 30B de execuções de vídeos de música no Reino Unido no último ano, baseado numa pesquisa entre seus membros, extrapolada para todo o mercado.

As tendências no entanto indicam que 3.1% de crescimento em receita dos selos é um alerta, uma vez que o crescimento comparativo em 2017 foi de 10,6%. Enquanto BPI está compreensivelmente interessado em falar sobre crescimento no longo prazo – a receita dos selos tem crescido 21.7% desde 2015, com três anos consecutivos de crescimento – a desaceleração do crescimento ano a ano é algo a se observar. BPI mencionou o desafio de relacionar “o sucesso global fenomenal do álbum ´Divide´ do Ed Sheeran em 2017 no contexto dos formatos físicos. Os números completos serão publicados no relatório “BPI All About the Music” na próxima semana, quando então a indústria britânica da música provavelmente já terá alguma clareza sobre o que está acontecendo com a saída do Reino Unido da Comunidade Europeia (Se bem que com o atual caos da política britânica, pode não ser assim), assim como sobre a nova diretiva europeia sobre Copyrights e seu artigo 13, que será votado no parlamento europeu nessa semana.

Fonte: musically.com/tag/uk/

ABMI subscreve carta aberta a favor da nova diretiva europeia

O ARTIGO 13 DA DIRETIVA EUROPEIA

Nos últimos tempos tem havido uma frenética campanha de desinformação e alarmismos proveniente daquelas empresas que mais lucram com o uso gratuito ou sub-remunerado dos trabalhos criativos alheios. O poder de lobby dessas entidades é tamanho que mudanças legislativas para proteger criadores e proprietários de direitos autorais nos EUA tem sido virtualmente impossível. Por isso as esperanças de artistas e selos americanos por uma compensação mais justa estão depositadas na nova Diretiva de Direitos Autorais do Parlamento Europeu, que promete realinhar radicalmente a aplicação da lei de para plataformas digitais na Europa.

Uma votação favorável no parlamento europeu desta nova legislação transformará para melhor a situação dos criadores e administradores de direitos autorais. Pela primeira vez a lei vai dizer claramente que os serviços que usam upload de usuários estão sujeitos à lei de direitos autorais. Plataformas que permitem o acesso a grandes quantidades de obras protegidas terão que cumprir um novo regime (Artigo 13), requerendo o regular licenciamento desse material. Naturalmente haverá exceções para plataformas sem fins lucrativos, startups, Wikipedia e alguns outros serviços on-line que não serão negativamente afetados.

Os consumidores ganham porque a responsabilidade será transferida do usuário para a plataforma. As licenças cobrirão seus envios, sempre contando com exceções e limitações. A inovação não será sufocada, pois as exceções vão proteger pequenas startups nascentes.

As disposições sobre transparência e remuneração para autores e intérpretes baseiam-se nos compromissos que o setor independente já assumiu há quase cinco anos, com a declaração WIN de acordos digitais (FD3).

Da perspectiva dos Norte-Americanos, este é uma luta difícil e cuidadosamente elaborado que está bastante atrasada. A lei europeia promete reequilibrar o relacionamento entre criadores e distribuidores e incentivar a criação e a propriedade intelectual. Revigorar a comunidade criativa produzirá recompensas culturais e econômicas. Legisladores dos EUA, que querem o melhor para o nosso país, deveriam seguir o mesmo caminho.

“A A2IM e seus membros apoiam os parlamentares europeus que enfrentam a fúria nuclear de pressão anti-copyright das corporações mais ricas e poderosas de todos os tempos.”

A comunidade criativa abraçou as plataformas de conteúdo gerado pelo usuário da melhor maneira possível por duas décadas. Agora, o quadro legal precisa apoiar as realidades do mercado.

A comunidade criativa abraçou a economia gerada pelo usuário da melhor maneira possível por duas décadas. Agora, o quadro legal precisa apoiar as realidades do mercado.

A Europa está liderando o caminho. A A2IM, a ABMI e seus membros apoiam os parlamentares da Europa, que enfrentam a fúria nuclear de pressão anti-copyright das corporações mais ricas e poderosas de todos os tempos.

Como estamos percebendo cada vez mais, os interesses do público em geral e até mesmo da nossa democracia estão sendo ameaçados pelo comportamento irresponsável de algumas dessas megacorporações. Pedimos aos nossos líderes eleitos que corrijam o abismo de valores e que restaurem o controle dos criadores sobre o uso de suas obras, bem como a capacidade de construir negócios a partir dos frutos de seu trabalho.

Richard James Burgess – CEO da A2IM

Link para matéria: https://www.musicbusinessworldwide.com/a2im-ceo-takes-aim-at-corporations-for-a-nuclear-fury-of-anti-copyright-pressure-over-article-13

EUA comemoram o terceiro ano consecutivo de crescimento de dois dígitos na música

Não saberemos os números exatos sobre como 2018 foi para a indústria da música mundial até o próximo mês, quando a IFPI publica seu relatório anual. Mas com base no maior mercado do mundo, os EUA, será outro forte conjunto de resultados. A RIAA revelou ontem que as receitas de varejo dos EUA para música gravada cresceram 12%, US $ 9,8 bilhões em 2018 – o terceiro ano consecutivo de crescimento de dois dígitos.

O streaming agora representa 75% desse mercado: US $ 7,4 bilhões de receita nos EUA no ano passado, um aumento de 30% em relação a 2017. Isso incluiu US $ 5,4 bilhões de receita de assinatura – 32% – enquanto o número de assinaturas de música paga cresceu 42% para 50,2 milhões de pessoas. O que significa que o crescimento no número de assinantes é maior do que as receitas reais de assinaturas (uma diferença maior se você retirar os US $ 747 milhões de receita de subscrições promocionais, já que esses ouvintes não estão incluídos nos 50 milhões de assinantes.)

Sim, há uma questão de abismo de valores sendo levantada. A RIAA disse que as receitas de serviços suportados por anúncios on-demand (como o nível gratuito do Spotify, o YouTube etc) aumentaram em 15%, para US $ 760 milhões. “Esses tipos de serviços transmitiram mais de 400 bilhões de músicas para ouvintes nos Estados Unidos, mais de um terço de um total estimado de 1,2 trilhão de fluxos, mas contribuíram com apenas 8% para a receita total do ano”, disse a RIAA.

Outras tendências: as vendas de CDs caíram 34%, para US $ 698 milhões, enquanto as vendas de vinil cresceram 8%, para US $ 419 milhões. Estamos realmente enfrentando a perspectiva de ultrapassar o CD novamente nos EUA, possivelmente ainda este ano. As vendas de download caíram 26%, para pouco mais de US $ 1 bilhão. O presidente e CEO da RIAA, Mitch Glazier, optou por se concentrar no crescimento das assinaturas de streaming. “Cinquenta milhões de assinaturas revelam o amor inigualável dos fãs pela música e o modo como ela molda nossas identidades e cultura – e mostra uma indústria que abraçou o futuro e encontrou um caminho saudável pela frente na economia digital”.

A RIAA não divulga serviços de streaming individuais, mas a empresa de consultoria MusicWatch divulgou ontem alguns números de participação de mercado das plataformas no âmbito da audição de música nos EUA, no último trimestre de 2018. O YouTube ainda está no topo, com 28% de “””aggregate listening hours”””  27% acima do ano anterior. No entanto, o Spotify está no calço,  aumentando de 20% para 24% de audição no mesmo período. Pandora (20%), Apple Music (6%) e Amazon Music (3%) são os outros serviços listados.

Isso é para todos os ouvintes – gratuitos e pagos. O MusicWatch diz que, quando apenas os serviços de assinatura são considerados, o Spotify tinha uma participação de 39% nos EUA no quarto trimestre de 2018, à frente da Apple Music (17%), Amazon Music (16%) e Pandora (10%). A empresa acrescentou que, de acordo com seus dados, a média de horas semanais de audição de um usuário do Spotify Premium cresceu de 4,9 horas no 4º trimestre de 2017 para 6,8 horas no 4º trimestre de 2018. E destaca que assinantes do Spotify Premium gastam 6 horas por semana ouvindo podcasts… ”

 
Fonte: https://musically.com/2019/03/01/us-enjoyed-third-straight-year-of-double-digit-music-growth/

O que é a nova Diretiva de Direitos Autorais Europeia e o que ela significa para Selos, Artistas e YouTube

Após anos de pressão, a luta pela Diretiva de Direitos Autorais e o futuro da mídia digital na Europa estão prestes a serem definidos. No final da noite de 13 de fevereiro, formuladores de políticas da União Européia elaboraram a versão final da nova Diretriz de Direito Autoral – tema de uma feroz batalha de quatro anos entre empresas de mídia e gigantes como o Google a respeito de como os criadores serão compensados na era do mercado digital.

Em jogo estão bilhões de dólares em receita potencial para a indústria da música, assim como o futuro dos negócios de mídia online no maior mercado do mundo. No início de abril, o Parlamento Europeu votará se a Diretiva sobre Direitos Autorais no Mercado Único Digital entrará em vigor – depois do que seria então transposta em lei nos Estados membros da UE.

A parte mais importante para o negócio da música – e a mais controversa em geral – é o Artigo 13, que basicamente encerra o “porto seguro” (“safe harbor”) que protege determinados sites quanto ao conteúdo enviado por usuários na Europa. Essas empresas, incluindo o YouTube, se tornariam assim legalmente responsáveis por infrações que ocorram em suas plataformas e seriam obrigadas a solicitar autorizações em moldes parecidos com as demais plataformas de streaming. Em termos objetivos, isso significa que o YouTube teria que pagar royalties mais próximos aos do Spotify e da Apple.

Mas a redação final da legislação deixou alguns executivos da música insatisfeitos, pois consideram que um Artigo 13 enfraquecido que não os favorecem.

“A versão final tem o potencial de deixar a música pior do que estamos agora”, diz um executivo sênior da música. “Trata-se de proteger a legislação no futuro para que ela permaneça eficaz à medida que a tecnologia muda e, infelizmente, essa versão não consegue isso”.

O texto final do Artigo 13 dá às plataformas que dependem do conteúdo enviado pelo usuário algumas atenuações de responsabilidade por hospedar violações na área da música ou de vídeos musicais, nos casos em que uma licença não foi concedida. Nesses casos, as plataformas teriam que fazer “os melhores esforços” para obter uma licença e “garantir a indisponibilidade de trabalhos específicos”.

Quando o conteúdo não licenciado é carregado, as plataformas precisam agir “com rapidez” para removê-lo e fazer “os melhores esforços” para impedir seu upload futuro. Isso significa que o YouTube será obrigado a implementar “aviso prévio e suspensão” (“notice and staydown”), em oposição ao atual “aviso e remoção” (“notice and takedown”).

A maioria dos detentores de direitos vê a legislação de aviso prévio e suspensão, e a colocação de responsabilidade primária em serviços de conteúdo carregado pelo usuário (UUC), como uma vitória significativa para a indústria da música. No entanto, alguns temem que essas ambiguidades no texto final possam ser minadas ou vagamente interpretadas quando a diretiva for transposta para a lei pelos estados membros da UE, criando indiretamente novas brechas e portos seguros para as plataformas explorarem.

Há também preocupações com exceções de “lighter touch” que o Artigo 13 concede a plataformas UUC pequenas e em fase inicial que operam há menos de três anos; com receitas anuais inferiores a 10 milhões de Euros e menos de 5 milhões de usuários únicos por mês. Nesses casos, as plataformas ainda serão obrigadas a aceitar licenças com selos e editores, mas só serão obrigadas a operar medidas de aviso e remoção, não de aviso prévio e suspensão – colocando efetivamente o ônus da responsabilidade sobre os detentores de direitos.

O Artigo 13, parágrafo 5 estabelece adicionalmente o que equivale a uma paródia em toda a União Europeia, protegendo o direito dos usuários de parodiar livremente obras de vídeo, cinema e TV protegidas por direitos autorais sem medo de represálias ou contestação legal. Essas leis já estão em vigor em vários países da UE, como a França, a Alemanha e o Reino Unido, mas não em todos os 28 países membros.

Atualmente, em mercados onde não existem exceções de paródia, os detentores de direitos podem gerar receita com vídeos de paródia musical. Se aprovado, o Artigo 13 potencialmente encerra essa fonte de receita.

“Não acho que você encontrará muitos detentores de direitos que vão sair e dizer que eles gostam do [Artigo] 13.5. Em territórios onde eles não têm atualmente essas exceções, você está potencialmente reduzindo receitas para um uso particular de conteúdo…” diz um executivo.

Das três maiores gravadoras, fontes da indústria dizem que a Universal é a que mais se opõe à versão final; a Warner em grande parte é favorável, embora os executivos achem que o texto contém falhas; e a Sony Music está entre os dois. O YouTube se recusou a comentar, mas ainda disse em comunicado que está determinando seus próximos passos.

“Seria ingênuo esperar que essa diretriz seja o fim de todo o debate ou litígio em relação aos direitos autorais no mundo online”, disse Helen Smith, CEO do grupo de gravadoras independentes IMPALA, à Billboard.

“O quadro geral é que esta é a primeira vez em todo o mundo que as plataformas que oferecem serviços de upload de usuários precisam de uma licença, não podem postar conteúdo não autorizado e estão sob obrigação de mantê-lo fora do acesso”, diz ela. “Isso é muito mais do que pedimos de início e é uma peça de legislação que nos impulsionará como setor.”

Ao mesmo tempo, os Artigos 14, 15 e 16 da Diretiva de Direitos Autorais contém algumas disposições importantes para intérpretes, compositores e artistas, incluindo requisitos para relatórios regulares e transparentes de detentores de direitos sobre as receitas geradas de suas obras e remuneração devida.

Nos casos em que esse nível de remuneração se torne “desproporcionalmente baixo”, criadores e artistas têm o direito de reivindicar “remuneração adicional, apropriada e justa” dos detentores dos direitos, afirma a diretriz. Também diz que quando um autor ou performer cedeu exclusivamente seus direitos a uma empresa de música que não lança ou explora sua música, eles “podem revogar, no todo ou em parte, a licença ou a transferência de direitos”.

“Essas disposições podem ser realmente valiosas para artistas e compositores que estejam em contratos obsoletos”, diz Annabella Coldrick, chefe-executiva do Music Managers ‘Forum (MMF), com sede no Reino Unido. “Potencialmente, há algumas medidas realmente boas aqui para garantir que as pessoas que fizeram a música, em primeiro lugar, vejam uma parte de todo esse crescimento. Não se trata apenas dos detentores de direitos ganharem mais do YouTube. É garantir que todos o dinheiro seja compartilhado de forma proporcional e justa”.

“Os problemas com o texto são menos sobre substância e muito mais sobre ambiguidade”, diz um executivo, também apoiador da diretiva. “O que ele contém é claro o suficiente para que possamos fazer algo nos dias de hoje? Ou teremos que contar com alguém esclarecendo isso mais tarde na jurisprudência?”

“Há um reconhecimento [no artigo 13] de que as criações de nossos artistas e escritores não estão lá para serem pisoteadas pelas empresas de tecnologia”, disse um executivo sênior da gravadora. “Os potenciais negativos estão na forma de como são interpretados e implementados país a país. Há palavras nesse documento que podem ser interpretadas de forma muito diferente, dependendo de que lado da conversa você está. Como os países interpretam isso é que são elas”.

Fonte: https://www.billboard.com/amp/articles/business/8500626/what-eu-final-copyright-directive-contains-labels-artists-youtube-impact

Charlie Phillips nomeado para liderar a WIN – Worldwide Independent Network

  • Phillips nomeado COO – Chief Operating Officer
  • Missão será focar no suporte à rede de associações independentes da  WIN

A WIN – Worldwide Independent Network, anuncia hoje Charlie Phillips como o novo Chief Operating Officer (COO) da instituição. Na prática Charlie vai intensificar o trabalho junto  às Associações Independentes internacionais, ampliando ações da capacitação dentro da rede. Ele também continuará a liderar o trabalho de execução pública, representando os direitos conexos independentes perante setores internacionais da indústria.

Charlie responderá diretamente ao recém eleito Chair da organização, Justin West, da Secret City Records – Canada, com a supervisão do conselho de diretores da WIN.

Sua promoção chega num momento estimulante para a WIN, que está bem posicionada para se expandir durante um período de saudável crescimento para os mercados da música em nível mundial.

Phillips trabalha para a WIN desde 2011, onde tem sido crucial no estabelecimento de  seu status e na efetivação de associações globais. Antes de se juntar à WIN, ele liderou assuntos legais e comerciais na AIM. Como advogado, sua carreira legal abrangeu uma ampla gama de áreas pertinentes às atuais indústrias criativa e de música digital, incluindo uma posição como conselheiro legal para a entidade da indústria fonográfica IFPI. Suas áreas específicas de conhecimento incluem licenciamento para direitos de execução internacional, bem como a interação entre direitos de música e dados. Ele representa os membros da WIN no DDEX e ISO.

Charlie declarou: “Estou feliz em avançar à posição de COO da WIN, e ter a oportunidade de mover a WIN na direção desta nova fase. Nos últimos anos a rede global de associações independentes já provou consistentemente seu valor em dar suporte aos selos independentes e a seus artistas para alcançarem sucesso. Eu espero construir junto este sucesso, e conduzir a WIN ao próximo estágio de sua missão que é oferecer benefícios reais ao setor independente internacional.”

Justin West acrescentou: “ uma rede global forte de associações independentes é fundamental para fazer frente a comportamentos anti-competitivos, mantendo um ambiente de condições de igualdade para os independentes, e batalhando por políticas justas e transparentes no setor. Charlie sempre foi um grande defensor da comunidade independente e juntando sua experiência e seu conhecimento, aporta o conjunto preciso de competências para tocar a WIN e levar diante sua missão. É empolgante vê-lo assumir esta função e mover a organização adiante.”

Sobre a WIN:
Representando associações de música independente ao redor do mundo, a WIN possui membros na Europa, America Latina, América do Norte, Asia e Oceania e atua como a voz dos produtores independentes nas pautas de interesse global. Mais informações em www.winformusic.org.