fbpx

Spotify lança seu primeiro hardware “Spotify Car Thing” para streaming de música e podcasts em carros

Spotify anunciou seu primeiro hardware para consumidores: um alto falante controlado por voz para carros que fará streaming de música e podcasts.  Entretanto, o “Car Thing” ainda não é um produto comercial. Está sendo usado em fase de teste nos EUA por um grupo reduzido de usuários premium convidados pelo Spotify, de acordo com a companhia.

Spotify divulgou seu primeiro hardware para consumidores: um alto falante controlado por voz para carros que fará streaming de música e podcasts.  Entretanto, “Car Thing” ainda não é um produto comercial. Está sendo usado em fase de teste nos EUA por um grupo reduzido de usuários premium convidados pelo Spotify, de acordo com a companhia.

Os convidados instalarão o Car Thing em seus carros, e os dados de como eles usam o dispositivo serão enviados de volta ao Spotify, para ampliar o entendimento do que os motoristas escutam, o que servirá de feedback para características futuras do produto.

“Sabemos que há especulações sobre nossos planos de futuro, mas o Car Thing foi desenvolvido para nos ajudar a entender melhor como as pessoas ouvem música e podcasts enquanto dirigem” – é o que informa a Spotify num post de seu blog recentemente. “Nosso foco continua sendo permanecermos a plataforma número 1 do mundo em audição de música – e não em criar hardware. “

Há uma lógica clara no fato do Spotify desenvolver seu próprio hardware, ainda que apenas para fins de pesquisa. A estratégia atual da empresa é ser uma “plataforma onipresente”, disponibilizando seus serviços em tanto dispositivos quanto possível, de smartphones a alto falantes inteligentes. Spotify já pode ser definido com o serviço de streaming preferencial para Amazon Echos e alto falantes Google Home, e pode ser executado através do Apple HomePod via a funcionalidade AirPlay. No entanto, os dados que o Spotify coleta a respeito de como os usuários usam o serviço, nestes casos, são limitados.

Se, conforme muitos de nós suspeitamos, fatalmente o Spotify “terá” que criar seu próprio hardware para comercialização, vai precisar de uma primeira leva confiável de dados sobre como as pessoas interagem com tal dispositivo. Primeiro o Car Thing… e parece que outros dispositivos virão.

O Car Thing  claramente adere à estratégia de longo prazo do Spotify para carros. O CEO Daniel Ek comentou numa entrevista para CNBC em Fevereiro de 2019:

“Estamos indo muito bem na estratégia para carros. O último número que apuramos foi que mais de 50 milhões de nossos usuários estão usando Spotify no carro. Então de fato é uma parte importante dos nossos negócios. Percebemos que esse número cresce incrivelmente na medida em que novos alto falantes são lançados e os carros se tornam mais e mais conectados. Então é realmente importante para  nossa história. “

Assinatura de streaming hoje é mais da metade da receita dos selos do Reino Unido

Novos números BPI (British Fonographic Industry) mostram que assinaturas de streaming representaram 54% da receita dos selos britânicos em 2018. A receita destas assinaturas cresceu 34.9% na comparação ano a ano, para um total de 467,6M de Libras (em torno de US$ 615M). Esse resultado contribuiu para um crescimento de 32.8% no total de receitas de streaming de música para os selos, somando 516,4M de Libras, sendo que streamings baseados em propaganda geraram 19,1M de Libras (crescimento de 25,8%) e streamings de vídeo geraram 29,7M de Libras (crescimento de apenas 9,9%).

Olhando a cena como um todo: crescimento de 3,1% em receita dos selos no último ano, total de 865,5M de Libras, com o crescimento do streaming superando as quedas agudas na venda de CD (queda de 28,4% em receita comercial) e downloads (queda de 27,9%). Com o debate do abismo de valores em mente, a BPI estima que houve mais de 30B de execuções de vídeos de música no Reino Unido no último ano, baseado numa pesquisa entre seus membros, extrapolada para todo o mercado.

As tendências no entanto indicam que 3.1% de crescimento em receita dos selos é um alerta, uma vez que o crescimento comparativo em 2017 foi de 10,6%. Enquanto BPI está compreensivelmente interessado em falar sobre crescimento no longo prazo – a receita dos selos tem crescido 21.7% desde 2015, com três anos consecutivos de crescimento – a desaceleração do crescimento ano a ano é algo a se observar. BPI mencionou o desafio de relacionar “o sucesso global fenomenal do álbum ´Divide´ do Ed Sheeran em 2017 no contexto dos formatos físicos. Os números completos serão publicados no relatório “BPI All About the Music” na próxima semana, quando então a indústria britânica da música provavelmente já terá alguma clareza sobre o que está acontecendo com a saída do Reino Unido da Comunidade Europeia (Se bem que com o atual caos da política britânica, pode não ser assim), assim como sobre a nova diretiva europeia sobre Copyrights e seu artigo 13, que será votado no parlamento europeu nessa semana.

Fonte: musically.com/tag/uk/

ABMI subscreve carta aberta a favor da nova diretiva europeia

O ARTIGO 13 DA DIRETIVA EUROPEIA

Nos últimos tempos tem havido uma frenética campanha de desinformação e alarmismos proveniente daquelas empresas que mais lucram com o uso gratuito ou sub-remunerado dos trabalhos criativos alheios. O poder de lobby dessas entidades é tamanho que mudanças legislativas para proteger criadores e proprietários de direitos autorais nos EUA tem sido virtualmente impossível. Por isso as esperanças de artistas e selos americanos por uma compensação mais justa estão depositadas na nova Diretiva de Direitos Autorais do Parlamento Europeu, que promete realinhar radicalmente a aplicação da lei de para plataformas digitais na Europa.

Uma votação favorável no parlamento europeu desta nova legislação transformará para melhor a situação dos criadores e administradores de direitos autorais. Pela primeira vez a lei vai dizer claramente que os serviços que usam upload de usuários estão sujeitos à lei de direitos autorais. Plataformas que permitem o acesso a grandes quantidades de obras protegidas terão que cumprir um novo regime (Artigo 13), requerendo o regular licenciamento desse material. Naturalmente haverá exceções para plataformas sem fins lucrativos, startups, Wikipedia e alguns outros serviços on-line que não serão negativamente afetados.

Os consumidores ganham porque a responsabilidade será transferida do usuário para a plataforma. As licenças cobrirão seus envios, sempre contando com exceções e limitações. A inovação não será sufocada, pois as exceções vão proteger pequenas startups nascentes.

As disposições sobre transparência e remuneração para autores e intérpretes baseiam-se nos compromissos que o setor independente já assumiu há quase cinco anos, com a declaração WIN de acordos digitais (FD3).

Da perspectiva dos Norte-Americanos, este é uma luta difícil e cuidadosamente elaborado que está bastante atrasada. A lei europeia promete reequilibrar o relacionamento entre criadores e distribuidores e incentivar a criação e a propriedade intelectual. Revigorar a comunidade criativa produzirá recompensas culturais e econômicas. Legisladores dos EUA, que querem o melhor para o nosso país, deveriam seguir o mesmo caminho.

“A A2IM e seus membros apoiam os parlamentares europeus que enfrentam a fúria nuclear de pressão anti-copyright das corporações mais ricas e poderosas de todos os tempos.”

A comunidade criativa abraçou as plataformas de conteúdo gerado pelo usuário da melhor maneira possível por duas décadas. Agora, o quadro legal precisa apoiar as realidades do mercado.

A comunidade criativa abraçou a economia gerada pelo usuário da melhor maneira possível por duas décadas. Agora, o quadro legal precisa apoiar as realidades do mercado.

A Europa está liderando o caminho. A A2IM, a ABMI e seus membros apoiam os parlamentares da Europa, que enfrentam a fúria nuclear de pressão anti-copyright das corporações mais ricas e poderosas de todos os tempos.

Como estamos percebendo cada vez mais, os interesses do público em geral e até mesmo da nossa democracia estão sendo ameaçados pelo comportamento irresponsável de algumas dessas megacorporações. Pedimos aos nossos líderes eleitos que corrijam o abismo de valores e que restaurem o controle dos criadores sobre o uso de suas obras, bem como a capacidade de construir negócios a partir dos frutos de seu trabalho.

Richard James Burgess – CEO da A2IM

Link para matéria: https://www.musicbusinessworldwide.com/a2im-ceo-takes-aim-at-corporations-for-a-nuclear-fury-of-anti-copyright-pressure-over-article-13

EUA comemoram o terceiro ano consecutivo de crescimento de dois dígitos na música

Não saberemos os números exatos sobre como 2018 foi para a indústria da música mundial até o próximo mês, quando a IFPI publica seu relatório anual. Mas com base no maior mercado do mundo, os EUA, será outro forte conjunto de resultados. A RIAA revelou ontem que as receitas de varejo dos EUA para música gravada cresceram 12%, US $ 9,8 bilhões em 2018 – o terceiro ano consecutivo de crescimento de dois dígitos.

O streaming agora representa 75% desse mercado: US $ 7,4 bilhões de receita nos EUA no ano passado, um aumento de 30% em relação a 2017. Isso incluiu US $ 5,4 bilhões de receita de assinatura – 32% – enquanto o número de assinaturas de música paga cresceu 42% para 50,2 milhões de pessoas. O que significa que o crescimento no número de assinantes é maior do que as receitas reais de assinaturas (uma diferença maior se você retirar os US $ 747 milhões de receita de subscrições promocionais, já que esses ouvintes não estão incluídos nos 50 milhões de assinantes.)

Sim, há uma questão de abismo de valores sendo levantada. A RIAA disse que as receitas de serviços suportados por anúncios on-demand (como o nível gratuito do Spotify, o YouTube etc) aumentaram em 15%, para US $ 760 milhões. “Esses tipos de serviços transmitiram mais de 400 bilhões de músicas para ouvintes nos Estados Unidos, mais de um terço de um total estimado de 1,2 trilhão de fluxos, mas contribuíram com apenas 8% para a receita total do ano”, disse a RIAA.

Outras tendências: as vendas de CDs caíram 34%, para US $ 698 milhões, enquanto as vendas de vinil cresceram 8%, para US $ 419 milhões. Estamos realmente enfrentando a perspectiva de ultrapassar o CD novamente nos EUA, possivelmente ainda este ano. As vendas de download caíram 26%, para pouco mais de US $ 1 bilhão. O presidente e CEO da RIAA, Mitch Glazier, optou por se concentrar no crescimento das assinaturas de streaming. “Cinquenta milhões de assinaturas revelam o amor inigualável dos fãs pela música e o modo como ela molda nossas identidades e cultura – e mostra uma indústria que abraçou o futuro e encontrou um caminho saudável pela frente na economia digital”.

A RIAA não divulga serviços de streaming individuais, mas a empresa de consultoria MusicWatch divulgou ontem alguns números de participação de mercado das plataformas no âmbito da audição de música nos EUA, no último trimestre de 2018. O YouTube ainda está no topo, com 28% de “””aggregate listening hours”””  27% acima do ano anterior. No entanto, o Spotify está no calço,  aumentando de 20% para 24% de audição no mesmo período. Pandora (20%), Apple Music (6%) e Amazon Music (3%) são os outros serviços listados.

Isso é para todos os ouvintes – gratuitos e pagos. O MusicWatch diz que, quando apenas os serviços de assinatura são considerados, o Spotify tinha uma participação de 39% nos EUA no quarto trimestre de 2018, à frente da Apple Music (17%), Amazon Music (16%) e Pandora (10%). A empresa acrescentou que, de acordo com seus dados, a média de horas semanais de audição de um usuário do Spotify Premium cresceu de 4,9 horas no 4º trimestre de 2017 para 6,8 horas no 4º trimestre de 2018. E destaca que assinantes do Spotify Premium gastam 6 horas por semana ouvindo podcasts… ”

 
Fonte: https://musically.com/2019/03/01/us-enjoyed-third-straight-year-of-double-digit-music-growth/

O que é a nova Diretiva de Direitos Autorais Europeia e o que ela significa para Selos, Artistas e YouTube

Após anos de pressão, a luta pela Diretiva de Direitos Autorais e o futuro da mídia digital na Europa estão prestes a serem definidos. No final da noite de 13 de fevereiro, formuladores de políticas da União Européia elaboraram a versão final da nova Diretriz de Direito Autoral – tema de uma feroz batalha de quatro anos entre empresas de mídia e gigantes como o Google a respeito de como os criadores serão compensados na era do mercado digital.

Em jogo estão bilhões de dólares em receita potencial para a indústria da música, assim como o futuro dos negócios de mídia online no maior mercado do mundo. No início de abril, o Parlamento Europeu votará se a Diretiva sobre Direitos Autorais no Mercado Único Digital entrará em vigor – depois do que seria então transposta em lei nos Estados membros da UE.

A parte mais importante para o negócio da música – e a mais controversa em geral – é o Artigo 13, que basicamente encerra o “porto seguro” (“safe harbor”) que protege determinados sites quanto ao conteúdo enviado por usuários na Europa. Essas empresas, incluindo o YouTube, se tornariam assim legalmente responsáveis por infrações que ocorram em suas plataformas e seriam obrigadas a solicitar autorizações em moldes parecidos com as demais plataformas de streaming. Em termos objetivos, isso significa que o YouTube teria que pagar royalties mais próximos aos do Spotify e da Apple.

Mas a redação final da legislação deixou alguns executivos da música insatisfeitos, pois consideram que um Artigo 13 enfraquecido que não os favorecem.

“A versão final tem o potencial de deixar a música pior do que estamos agora”, diz um executivo sênior da música. “Trata-se de proteger a legislação no futuro para que ela permaneça eficaz à medida que a tecnologia muda e, infelizmente, essa versão não consegue isso”.

O texto final do Artigo 13 dá às plataformas que dependem do conteúdo enviado pelo usuário algumas atenuações de responsabilidade por hospedar violações na área da música ou de vídeos musicais, nos casos em que uma licença não foi concedida. Nesses casos, as plataformas teriam que fazer “os melhores esforços” para obter uma licença e “garantir a indisponibilidade de trabalhos específicos”.

Quando o conteúdo não licenciado é carregado, as plataformas precisam agir “com rapidez” para removê-lo e fazer “os melhores esforços” para impedir seu upload futuro. Isso significa que o YouTube será obrigado a implementar “aviso prévio e suspensão” (“notice and staydown”), em oposição ao atual “aviso e remoção” (“notice and takedown”).

A maioria dos detentores de direitos vê a legislação de aviso prévio e suspensão, e a colocação de responsabilidade primária em serviços de conteúdo carregado pelo usuário (UUC), como uma vitória significativa para a indústria da música. No entanto, alguns temem que essas ambiguidades no texto final possam ser minadas ou vagamente interpretadas quando a diretiva for transposta para a lei pelos estados membros da UE, criando indiretamente novas brechas e portos seguros para as plataformas explorarem.

Há também preocupações com exceções de “lighter touch” que o Artigo 13 concede a plataformas UUC pequenas e em fase inicial que operam há menos de três anos; com receitas anuais inferiores a 10 milhões de Euros e menos de 5 milhões de usuários únicos por mês. Nesses casos, as plataformas ainda serão obrigadas a aceitar licenças com selos e editores, mas só serão obrigadas a operar medidas de aviso e remoção, não de aviso prévio e suspensão – colocando efetivamente o ônus da responsabilidade sobre os detentores de direitos.

O Artigo 13, parágrafo 5 estabelece adicionalmente o que equivale a uma paródia em toda a União Europeia, protegendo o direito dos usuários de parodiar livremente obras de vídeo, cinema e TV protegidas por direitos autorais sem medo de represálias ou contestação legal. Essas leis já estão em vigor em vários países da UE, como a França, a Alemanha e o Reino Unido, mas não em todos os 28 países membros.

Atualmente, em mercados onde não existem exceções de paródia, os detentores de direitos podem gerar receita com vídeos de paródia musical. Se aprovado, o Artigo 13 potencialmente encerra essa fonte de receita.

“Não acho que você encontrará muitos detentores de direitos que vão sair e dizer que eles gostam do [Artigo] 13.5. Em territórios onde eles não têm atualmente essas exceções, você está potencialmente reduzindo receitas para um uso particular de conteúdo…” diz um executivo.

Das três maiores gravadoras, fontes da indústria dizem que a Universal é a que mais se opõe à versão final; a Warner em grande parte é favorável, embora os executivos achem que o texto contém falhas; e a Sony Music está entre os dois. O YouTube se recusou a comentar, mas ainda disse em comunicado que está determinando seus próximos passos.

“Seria ingênuo esperar que essa diretriz seja o fim de todo o debate ou litígio em relação aos direitos autorais no mundo online”, disse Helen Smith, CEO do grupo de gravadoras independentes IMPALA, à Billboard.

“O quadro geral é que esta é a primeira vez em todo o mundo que as plataformas que oferecem serviços de upload de usuários precisam de uma licença, não podem postar conteúdo não autorizado e estão sob obrigação de mantê-lo fora do acesso”, diz ela. “Isso é muito mais do que pedimos de início e é uma peça de legislação que nos impulsionará como setor.”

Ao mesmo tempo, os Artigos 14, 15 e 16 da Diretiva de Direitos Autorais contém algumas disposições importantes para intérpretes, compositores e artistas, incluindo requisitos para relatórios regulares e transparentes de detentores de direitos sobre as receitas geradas de suas obras e remuneração devida.

Nos casos em que esse nível de remuneração se torne “desproporcionalmente baixo”, criadores e artistas têm o direito de reivindicar “remuneração adicional, apropriada e justa” dos detentores dos direitos, afirma a diretriz. Também diz que quando um autor ou performer cedeu exclusivamente seus direitos a uma empresa de música que não lança ou explora sua música, eles “podem revogar, no todo ou em parte, a licença ou a transferência de direitos”.

“Essas disposições podem ser realmente valiosas para artistas e compositores que estejam em contratos obsoletos”, diz Annabella Coldrick, chefe-executiva do Music Managers ‘Forum (MMF), com sede no Reino Unido. “Potencialmente, há algumas medidas realmente boas aqui para garantir que as pessoas que fizeram a música, em primeiro lugar, vejam uma parte de todo esse crescimento. Não se trata apenas dos detentores de direitos ganharem mais do YouTube. É garantir que todos o dinheiro seja compartilhado de forma proporcional e justa”.

“Os problemas com o texto são menos sobre substância e muito mais sobre ambiguidade”, diz um executivo, também apoiador da diretiva. “O que ele contém é claro o suficiente para que possamos fazer algo nos dias de hoje? Ou teremos que contar com alguém esclarecendo isso mais tarde na jurisprudência?”

“Há um reconhecimento [no artigo 13] de que as criações de nossos artistas e escritores não estão lá para serem pisoteadas pelas empresas de tecnologia”, disse um executivo sênior da gravadora. “Os potenciais negativos estão na forma de como são interpretados e implementados país a país. Há palavras nesse documento que podem ser interpretadas de forma muito diferente, dependendo de que lado da conversa você está. Como os países interpretam isso é que são elas”.

Fonte: https://www.billboard.com/amp/articles/business/8500626/what-eu-final-copyright-directive-contains-labels-artists-youtube-impact

Charlie Phillips nomeado para liderar a WIN – Worldwide Independent Network

  • Phillips nomeado COO – Chief Operating Officer
  • Missão será focar no suporte à rede de associações independentes da  WIN

A WIN – Worldwide Independent Network, anuncia hoje Charlie Phillips como o novo Chief Operating Officer (COO) da instituição. Na prática Charlie vai intensificar o trabalho junto  às Associações Independentes internacionais, ampliando ações da capacitação dentro da rede. Ele também continuará a liderar o trabalho de execução pública, representando os direitos conexos independentes perante setores internacionais da indústria.

Charlie responderá diretamente ao recém eleito Chair da organização, Justin West, da Secret City Records – Canada, com a supervisão do conselho de diretores da WIN.

Sua promoção chega num momento estimulante para a WIN, que está bem posicionada para se expandir durante um período de saudável crescimento para os mercados da música em nível mundial.

Phillips trabalha para a WIN desde 2011, onde tem sido crucial no estabelecimento de  seu status e na efetivação de associações globais. Antes de se juntar à WIN, ele liderou assuntos legais e comerciais na AIM. Como advogado, sua carreira legal abrangeu uma ampla gama de áreas pertinentes às atuais indústrias criativa e de música digital, incluindo uma posição como conselheiro legal para a entidade da indústria fonográfica IFPI. Suas áreas específicas de conhecimento incluem licenciamento para direitos de execução internacional, bem como a interação entre direitos de música e dados. Ele representa os membros da WIN no DDEX e ISO.

Charlie declarou: “Estou feliz em avançar à posição de COO da WIN, e ter a oportunidade de mover a WIN na direção desta nova fase. Nos últimos anos a rede global de associações independentes já provou consistentemente seu valor em dar suporte aos selos independentes e a seus artistas para alcançarem sucesso. Eu espero construir junto este sucesso, e conduzir a WIN ao próximo estágio de sua missão que é oferecer benefícios reais ao setor independente internacional.”

Justin West acrescentou: “ uma rede global forte de associações independentes é fundamental para fazer frente a comportamentos anti-competitivos, mantendo um ambiente de condições de igualdade para os independentes, e batalhando por políticas justas e transparentes no setor. Charlie sempre foi um grande defensor da comunidade independente e juntando sua experiência e seu conhecimento, aporta o conjunto preciso de competências para tocar a WIN e levar diante sua missão. É empolgante vê-lo assumir esta função e mover a organização adiante.”

Sobre a WIN:
Representando associações de música independente ao redor do mundo, a WIN possui membros na Europa, America Latina, América do Norte, Asia e Oceania e atua como a voz dos produtores independentes nas pautas de interesse global. Mais informações em www.winformusic.org.

Grandes gravadoras faturam US $ 19 milhões por dia de streaming em 2018

Com a publicação do resultado financeiro do último trimestre de 2018 por três grandes gravadoras, podemos ter uma ideia de como seus negócios digitais cresceram.

A análise da MBW alega que a UniversalSony e Warner geraram US $ 6,93 bilhões de receita em serviços de streaming no ano passado, representando um crescimento ano a ano de 30,8% – e cerca de US $ 19 milhões por dia entre os três naquele ano. A análise mostra que as receitas globais de streaming da Universal Music cresceram US $ 864 milhões em 2018, com a Warner Music adicionando US $ 396 milhões e a Sony Music US $ 368 milhões.

Uma das notas que a Universal Music divulgou em seus resultados foi que o White Album dos Beatles foi seu quarto best-seller em 2018, e a Midia Research desenvolveu em seu blog, algumas ideias úteis sobre por que o streaming *não foi* a chave desse sucesso.

“Os Beatles não chegaram a ser a quarta maior venda da UMG através do streaming. Na verdade, foi feito por meio de vendas físicas”, destacou, observando que a reedição do 50º aniversário do álbum foi uma versão “premium física”, além de estar disponível para streaming e download.

“Para gerar US $ 7,5 milhões em receita, a UMG precisaria vender apenas meio milhão de cópias da edição de US $ 25 e apenas 75.000 dos Boxsets. Para gerar os mesmos US $ 7,5 milhões em streamings, a UMG precisaria de 62,5 milhões de pessoas, cada uma transmitindo 15 faixas do álbum”, destacou Midia.

 

Fonte: Music Ally
Para mais informações sobre este artigo e ajuda com campanhas digitais, favor entrar em contato com anthony@musically.com

Music Ally – Renovação de assinatura para associados

Muitos de vocês, associados da ABMI, estão recebendo gratuitamente os serviços de informação da Music Ally há 1 ano, por meio da cortesia e apoio do Spotify e da FUGA (associada ABMI).

A Music Ally tem o prazer de anunciar que a Spotify e a FUGA decidiram estender o apoio por mais 1 ano para que você continue a receber os informativos gratuitamente.

“A FUGA está satisfeita em apoiar o fornecimento do excelente serviço de informações comerciais da Music Ally a todos os funcionários de selos independentes de todo o mundo por mais um ano. O serviço teve uma excelente resposta. A FUGA continua vendo o benefício de ter essas informações disponíveis para ajudar as gravadoras independentes a acompanhar todos os desenvolvimentos digitais mais recentes.”

Pieter Van Rijn | CEO da FUGA

“A Spotify tem orgulho de fazer parceria com todas as gravadoras e trabalha arduamente para ajudá-las a servir melhor seus artistas. Temos o prazer de oferecer as principais notícias e insights da Music Ally para todos os selos independentes do mundo, capacitando-os com o conhecimento necessário para ajudar a construir tanto os negócios quanto as carreiras de seus artistas.”

Chris Stoneman | Diretor de serviços de selos independentes do Spotify UK

Lembrando que a ABMI, como parte da Worldwide Independent Network (WIN), traz esse grande benefício para seus associados.

O serviço completo de assinatura da Music Ally é oferecido gratuitamente para selos independentes em todo o mundo, com patrocínio da Spotify e da FUGA.

O serviço Music Ally inclui:
– Um boletim diário de notícias por e-mail.
– Relatórios regulares em PDF, incluindo os relatórios de marketing digital da Sandbox.
– Descontos para todos os eventos da Music Ally.

Uma única assinatura anual individual da Music Ally custaria em torno de £ 399. Mas os membros dos selos e gravadoras independentes – e todos os seus funcionários – têm direito a receber gratuitamente o serviço completo por um ano. Você NÃO precisa fornecer detalhes do cartão de crédito e pode se descadastrar a qualquer momento caso esteja insatisfeito com o serviço.
Atenção: essa oferta é apenas para selos e gravadoras independentes associadas à ABMI.

Solicite o link do seu acesso gratuito no abmi@abmi.com.br.

Music Ally é uma publicação de primeira linha para qualquer profissional da indústria, independentemente do tempo de mercado ou segmento. Nós encorajamos você a aproveitar ao máximo essa grande oportunidade.

Billboard’s 2019 – Lista dos 100 mais poderosos da música

A Billboard anunciou os 100 nomes mais poderosos da indústria da música de 2019.

A volta da música gravada, impulsionada pelo streaming, está expandindo todo o negócio, abalando hierarquias estabelecidas e criando novos influenciadores. Este ano, 55 novas caras se juntam ao ranking anual da Billboard de influenciadores da indústria da música. PLUS: Apresentando também os poderosos da nova geração – 25 disruptores que definirão o futuro da música.

Martin Mills, Fundador da Beggars Group, esteve no Rio Music Market 2018. Charles Caldas, CEO da Merlin, confirmou presença no Rio Music Market deste ano. Ambos fazem parte da lista dos mais poderosos de 2019.

O que mudou em relação à lista do ano passado:

Embora executivos entrem, saiam, subam e desçam na lista dos 100 mais poderosos todo ano em função de sua performance, alguns que tem aparecido constantemente em listas anteriores não foram incluídos este ano, especificamente devido a uma decisão editorial de reorientar os 100 poderosos essencialmente para companhias da indústria da música. Em função disso, executivos de marcas como Citi, American Express e MAC Presents, e também agentes de shows, não foram incluídos. Os executivos da Dick Clark Productions tampouco foram considerados este ano porque são sócios de uma empresa ligada à Billboard.

Metodologia:

Um comitê de editores e repórteres da Billboard avaliaram uma variedade de fatores para determinar o ranking da lista de poderosos de 2019, incluindo mas não limitado aos Artistas Principais e às Turnês Principais  da Billboard 2018. Indicações feitas por colegas, pares e superiores; impacto em comportamento do consumidor medido através de gráficos, vendas e e streaming; impressões nas redes sociais; audiência alcançada em rádio e TV; trajetória de carreira; e impacto geral na indústria, utilizando dados disponíveis até 24/jan/2019.

Os rankings da agência se basearam em parte na análise dos primeiros 125 artistas em turnê segundo números reportados pelo Boxscore da Billboard no período entre 1/Jan/2018 e 24/Jan/2019.  Sempre que disponíveis, relatórios financeiros foram levados em conta. A distribuição de mercado da música gravada nos EUA foi consultada usando a fonte da Nielsen Music para as unidades de consumo  álbum+faixa e streaming. O ranking bimestral das primeiras dez editoras  da Billboard também foi considerado. Exceto por alguma notificação específica, Billboard Boxscore e Nielsen Music são as fontes para o dado bruto sobre turnês e vendas/streaming, respectivamente. Exceto se especificado, números de streaming de álbuns citados representam o coletivo dos totais de áudio sob demanda nos EUA para aquela faixa do álbum. Números sobre  streaming de Canção/Artista representam a combinação do total de áudio e vídeo sob demanda nos EUA.

Segue a lista:

1. Lucian Grainge, Chairman/CEO, Universal Music Group

2. Michael Rapino, President/CEO, Live Nation Entertainment

3. Daniel Ek, Founder/CEO, Spotify; Dawn Ostroff, Chief Content Officer, Spotify; Barry McCarthy, CFO, Spotify; Horacio Gutierrez, General Counsel/VP Business and Legal Affairs, Spotify; Nick Holmstén, Global Head of Music, Spotify

4. Irving Azoff, Chairman/CEO, The Azoff Company; Jeffrey Azoff, Partner, Full Stop Management

5. Rob Stringer, CEO, Sony Music Entertainment

6. Steve Cooper, CEO, Warner Music Group; Max Lousada, CEO of Recorded Music, WMG

7. Oliver Schusser, VP Apple Music and International Content, Apple; Amanda Marks, Global Head of Business Development and Music Partnerships, Apple; Zane Lowe, Global Creative Director/Host, Apple Music; Larry Jackson, Global Creative Director, Apple Music; Bebhinn Gleeson, Global Director of Original Content, Apple Music; Rachel Newman, Global Director of Editorial, Apple Music

8. Jon Platt, Incoming Chairman/CEO, Sony/ATV Music Publishing

9. Craig Kallman, Chairman/CEO, Atlantic Records; Julie Greenwald, Chairman/COO, Atlantic Records; Mike Kyser, President of Black Music, Atlantic Records; Kevin Weaver, President of West Coast, Atlantic Records

10. Boyd Muir, CFO/Executive vp/President of Operations, Universal Music Group; Michele Anthony, Executive vp, UMG; Jeffrey Harleston, Executive vp Business and Legal Affairs/General Counsel, UMG; Michael Nash, Executive vp Digital Strategy, UMG

11. Monte Lipman, Co-Founder/CEO, Republic Records; Avery Lipman, Co-Founder/President, Republic Records

12. Coran Capshaw, Founder, Red Light Management

13. Steve Boom, Vice President, Amazon Music; Ryan Redington, Director, Amazon Music

14. Jody Gerson, Global Chairman/CEO, Universal Music Publishing Group

15. John Janick, Chairman/CEO, Interscope Geffen A&M; Steve Berman, Vice Chairman, Interscope Geffen A&M; Joie Manda, Executive vp, Interscope Geffen A&M

16. Scooter Braun, Founder, SB Projects

17. Martin Bandier, Chairman/CEO, Sony/ATV Music Publishing

18. Steve Barnett, Chairman/CEO, Capitol Music Group; Michelle Jubelirer, COO, CMG; Ashley Newton, President, CMG; Ethiopia Habtemariam, President, Motown Records

19. Guy Oseary, 46, Co-Founder/Principal, Maverick Management

20. Jay Marciano, COO, AEG; Chairman/CEO, AEG Presents; Rick Mueller, President of North America, AEG Presents; John Meglen, Paul Gongaware, Co-CEOs, Concerts West/AEG Presents

21. Louis Messina, CEO, Messina Touring Group

22. Dennis Kooker, President of Global Digital Business and U.S. Sales, Sony Music Entertainment; Kevin Kelleher, COO, SME; Julie Swidler, Executive vp Business Affairs/General Counsel, SME

23. Stu Bergen, CEO of International and Global Commercial Services, Warner Music Group; Eric Levin, Executive vp/CFO, WMG; Ole Obermann, Executive vp Business Development/Chief Digital Officer, WMG; Paul Robinson, Executive vp/General Counsel, WMG

24. Denis Desmond, Chairman of the United Kingdom and Ireland, Live Nation; Arthur Fogel, Chairman of Global Music, President of Global Touring, Live Nation; Bob Roux, President of U.S. Concerts, Live Nation; Russell Wallach, Global President of Media and Sponsorship, Live Nation; Kathy Willard, CFO, Live Nation

25. Guy Moot, Incoming Co-Chair/CEO, Warner/Chappell Music Publishing; Carianne Marshall, Co-Chair/COO, Warner/Chappell Music Publishing

26. Rob Light, Partner/Managing Director/Head of Music, Creative Artists Agency; Darryl Eaton, Mitch Rose, Rick Roskin, Co-Heads of Contemporary Music for North America, CAA

27. Marc Geiger, Partner/Head of Music, WME; Sara Newkirk Simon, Kirk Sommer, Partners/Co-Heads of Music, WME; Brent Smith, Partner, WME

28. Scott Greenstein, President/Chief Content Officer, SiriusXM Holdings Inc.

29. Elizabeth Matthews, CEO, ASCAP; Michael O’Neill, President/CEO, BMI

30. Bob Pittman, Chairman/CEO, iHeartMedia Inc.; John Sykes, President of Entertainment Enterprises, iHeartMedia​; Tom Poleman, Chief Programming Officer/President of National Programming Group, iHeartMedia

31. Hartwig Masuch, CEO, BMG

32. Aaron Bay-Schuck, Co-Chairman/CEO, Warner Bros. Records; Tom Corson, Co-Chairman/COO, Warner Bros. Records

33. Peter Edge, Chairman/CEO, RCA Records; John Fleckenstein, Joe Riccitelli, Co-Presidents, RCA Records

34. Ron Perry, Chairman/CEO, Columbia Records; Jenifer Mallory, GM, Columbia Records

35. Sylvia Rhone, President, Epic Records

36. Mike Dungan, Chairman/CEO, Universal Music Group Nashville; Cindy Mabe, President, Universal Music Group Nashville

37. Randy Goodman, Chairman/CEO, Sony Music Nashville

38. Susan Wojcicki, CEO, YouTube; Robert Kyncl, Chief Business Officer, YouTube; Lyor Cohen, Global Head of Music, YouTube

39. Cussion Pang, CEO/Director, Tencent Music Entertainment; Andy Ng, Group vp, Copyright Management; Tencent Music Entertainment

40. Dave Rocco, Executive vp Creative, Universal Music Group; Celine Joshua, GM of Commercial, Content and Artist Strategy, UMG

41. Shawn “Jay-Z” Carter, Founder, Roc Nation; Jay Brown, CEO, Roc Nation; Desiree Perez, COO, Roc Nation

42. David Israelite, President/CEO, National Music Publishers’ Association; Danielle Aguirre, Executive vp/General Counsel, NMPA

43. Elizabeth Collins, Susan Genco, Co-Presidents, The Azoff Company

44. Mitch Glazier, Chairman/CEO, RIAA

45. Randy Grimmett, Partner/CEO, Global Music Rights; John Josephson, Chairman/CEO, SESAC

46. Future The Prince, Manager, Drake; Noah “40” Shebib, Producer; Co-Founder, OVO Sound

47. Paul Rosenberg, Chairman/CEO, Def Jam Recordings; Co-Founder/President, Shady Records; CEO, Goliath Artists

48. Stuart Camp, Manager, Ed Sheeran

49. Paul Tollett, President, Goldenvoice Productions

50. Pierre “P” Thomas, CEO, Quality Control Music; Kevin “Coach K” Lee, COO, Quality Control Music

51. Scott Borchetta, Founder/President/CEO, Big Machine Label Group

52. Joel Katz, Founding Chairman of the Global Entertainment and Media Practice, Greenberg Traurig

53. Dre London, Founder, London Ent.

54. Bryan “Birdman” Williams, Ronald “Slim” Williams, Co-Founders/Co-CEOs, Cash Money Records

55. Scott Pascucci, CEO, Concord; Tom Whalley, Chief Label Executive, Concord; Jake Wisely, Chief Publishing Executive, Concord

56. Mike Caren, Founder/CEO, Artist Partner Group

57. John Branca, Partner/Head of the Music Department, Ziffren Brittenham

58. Allen Grubman, Kenny Meiselas, Senior Partners, Grubman Shire Meiselas & Sacks

59. Doug Morris, Founder, 12 Tone Music

60. Tamara Hrivnak, Head of Music Business Development and Partnerships, Facebook; Malika Quemerais, Head of Music Partnerships, Facebook; Lauren Wirtzer-Seawood, Head of Music Partnerships, Instagram

61. David Field, Chairman/President/CEO, Entercom​; Pat Paxton, President of Programming, Entercom

62. Martin Mills, Founder/Chairman, Beggars Group

63. Anthony “Top Dawg” Tiffith, Founder/CEO, Top Dawg Entertainment

64. Willard Ahdritz, Founder/CEO, Kobalt

65. Laurie Jacoby, Senior vp New York Concerts and Entertainment, Madison Square Garden

66. Marty Diamond, Corrie Christopher Martin, Matt Galle, Jonathan Levine, Music Executive Leadership Group, Paradigm Talent Agency

67. Darcus Beese, President, Island Records; Eric Wong, COO, Island Records

68. David Massey, President/CEO, Arista Records

69. John Esposito, Chairman/CEO, Warner Music Nashville

70. Afo Verde, Chairman/CEO, Sony Music Latin Iberia

71. Mike Easterlin, Gregg Nadel, Co-Presidents, Elektra Music Group

72. Dennis Arfa, Chairman, Artist Group International; Marsha Vlasic, President, AGI; Adam Kornfeld, President of Touring for North America, AGI

73. Jesús López, Chairman/CEO, Universal Music Latin America & Iberian Peninsula

74. Ralph Peer II, Chairman/CEO, peermusic​; Mary Megan Peer, Deputy CEO, peermusic

75. Cliff Burnstein, Peter Mensch, Co-Founders, Q Prime

76. Marc Cimino, COO, Universal Music Publishing Group

77. Henry Cárdenas, Founder/CEO, Cárdenas Marketing Network

78. David Zedeck, Global Head of Music, United Talent Agency; Natalia Nastaskin, GM of Global Music Group, UTA; Ken Fermaglich, Partner/Agent, UTA; Cheryl Paglierani, Agent, UTA

79. Steve Levine, Rob Prinz, Partners/Co-Heads of Worldwide Concerts, ICM Partners; Mark Siegel, Partner/Head of Music, ICM Partners; Robert Gibbs, Partner/Music Agent, ICM Partners

80. Michael Huppe, President/CEO, SoundExchange

81. Charles Caldas, CEO, Merlin

82. Cara Lewis, Owner/Founder, Cara Lewis Group

83. Mary G. Berner, President/CEO, Cumulus Media

84. Daniel Glass, Founder/President, Glassnote

85. Danny Strick, Rick Krim, Co-Presidents of U.S., Sony/ATV Music Publishing; Brian Monaco, President/Global Chief Marketing Officer, Sony/ATV Music Publishing

86. Don Passman, Partner, Gang Tyre Ramer Brown & Passman

87. Jacqueline Charlesworth, Of Counsel, Covington & Burling​; Dina LaPolt, Founder/Owner, LaPolt Law

88. Jared Smith, President, North America; Ticketmaster; David Marcus, Executive vp/Head of Music, Ticketmaster

89. Gee Roberson, Co-CEO, The Blueprint Group; Partner, Maverick; Shawn Gee, President, Live Nation Urban; Partner, Maverick; Jean Nelson, President, The Blueprint Group

90. Jacqueline Saturn, President, Caroline/Harvest Records

91. Helen Murphy, CEO, ole Media Management

92. Jason Owen, President/CEO, Sandbox Entertainment; Co-President, Monument Records

93. Walter Kolm, Founder/President, WK Entertainment

94. Pasquale Rotella, Founder/CEO, Insomniac Events

95. Iñigo Zabala, President, Warner Music Latin America & Iberia

96. Russell Faibisch, Co-Founder/Chairman/CEO/Executive Producer, ULTRA Worldwide; Adam Russakoff, Executive Producer/Director of Business Affairs, ULTRA Worldwide

97. Randy Phillips, President/Director/CEO, LiveStyle

98. Raúl Alarcón Jr., President/Chairman/CEO, Spanish Broadcasting System

99. Rebeca León, CEO, Lionfish Entertainment

100. Neil Portnow, President/CEO, The Recording Academy

Mais informações em: https://www.billboard.com/biz/articles/8497227/billboards-2019-power-100-list-revealed