fbpx

WINTEL 2018 anuncia a mais recente e abrangente análise de mercado independente global.

WIN            ABMI

WINTEL 2018 anuncia a mais recente e abrangente análise de mercado independente global.

Os independentes agora representam 39.9% do mercado de música gravada no mundo.

Receitas cresceram 10,9% em relação ao ano anterior, receita global de streaming cresceu 46% ano a ano.

Londres, 4 de dezembro de 2018 – WINTEL 2018 é o terceiro relatório produzido pela WIN (Worldwide Independent Network), mapeando o mercado global independente em relação à propriedade de fonogramas, e não em relação aos canais de distribuição.

Este novo relatório desenvolvido para analisar o impacto econômico e cultural do setor da música independente foi criado a pedido da WIN por Mark Mulligan da MIDiA Research e editado pela Music Ally (Reino Unido). Os resultados, colhidos em 33 países, representam a mais abrangente pesquisa global do setor de gravadoras independentes feita até hoje.

O estudo mostra que o mercado independente cresceu 39,9% em 2017.

As receitas globais também cresceram de US$6.2 bilhões em 2016 para US$6.9 bilhões em 2017, demonstrando um forte crescimento ano a ano de 10,9%. É importante ressaltar que o setor independente teve uma performance superior ao do mercado de música como um todo, que cresceu 10,2% no último ano.

O rápido crescimento dos chamados mercados emergentes – com a China apresentando um crescimento de 36% em faturamento, Ásia e Austrália assistindo a um pico de 5,4% em receita e a América Latina com um aumento de quase 50% na receita de streaming – tudo isso faz com que a indústria observe com muita expectativa os próximos movimentos.

Importante enfatizar que este relatório utiliza critérios baseados em detenção de direitos, e não em vendas feitas pelos canais de distribuição.

Esta é uma distinção crucial, pois tendo em vista que as companhias independentes usam as grandes gravadoras (ou empresas de propriedade das grandes gravadoras) para distribuir sua música, estas grandes gravadoras incluem o valor da receita derivada da distribuição dos direitos dos independentes na mensuração do seu próprio mercado.

A análise da WINTEL à luz da detenção dos direitos, portanto, promove uma visão mais exata do mercado.

Isto também é relevante porque o tamanho do mercado é usado pelas empresas líderes de música digital como Apple, Google e Spotify em negociações com o setor independente, eventualmente determinando o nível de remuneração pago por estas empresas aos detentores dos direitos musicais.

Ao final de 2017 os serviços de assinatura de streaming de música atingiram 176 milhões de assinantes globalmente, comparados a 64 milhões em 2016. Este crescimento incrementou a receita das companhias independentes em 46% em 2017, atingindo US$3.1 bi.

É extremamente provável que o streaming represente mais de 50% da receita das companhias de música independente num futuro próximo; as vendas físicas continuam a cair.

Uma razão provável para este crescimento contínuo é o fato de que os selos independentes se ajustaram para acomodar e tirar proveito do ambiente de streaming, com 47% dos participantes da pesquisa respondendo que isto melhorou significativamente seu fluxo de caixa, um número que se eleva a 73% para selos nos quais streaming já representa mais de 30% de sua receita.

Uma outra conclusão positiva e interessante da pesquisa é que 76% dos artistas que assinaram com selos independentes decidiram renovar seus contratos.  Isto é sem dúvida um reflexo da estabilidade encontrada nos selos que estão trabalhando com tais artistas.  As respostas demonstram que 42% das equipes nas companhias independentes permanecem por lá desde o início da empresa, um fato a destacar considerando que a média dos selos independentes tem 14.9 anos de existência.

Também é válido refletir sobre o que define “independente” em 2018 – o termo está certamente evoluindo na indústria da música, e além de selos, o termo agora inclui os chamados artistas “autoprodutores”, que estão lançando por conta própria sua música através dos distribuidores do mercado.

O WINTEL 2018 revela que a renda dos artistas que se “auto lançam” cresceu de US$94 milhões em 2016 para US$101 milhões em 2017. Como estes artistas constroem times ao seu redor para exercer funções típicas de selos, este setor da comunidade da música independente tende a crescer significativamente.

Alison Wenham, CEO da WIN afirma: “_Com 2018 chegando ao fim, estamos felizes em publicar a terceira edição do relatório anual WINTEL, que destaca o mercado global independente crescendo impressionantes 39.9% em 2017, um número que ultrapassa tanto as grandes gravadoras quando o setor de música como um todo. Há inúmeras informações interessantes a extrair desta pesquisa, mas uma coisa que realmente me chamou a atenção foi o fato de 76% dos artistas escolherem renovar seus contratos com seus selos, o que demonstra que os independentes estão estreitando fortes laços com os artistas que representam. Mais doze meses se passaram, turbulentos para nossa indústria em muitos aspectos, mas surgiram novas legislações poderosas para proteger nossos negócios, houve um crescimento fantástico em alguns territórios inesperados, e o suporte contínuo dos fãs de música que continuaram a desfrutar e a se conectar com a música incrível que vem da comunidade global independente.”

“Este terceiro relatório da WIN é uma demonstração de força do setor da música independente global. Uma indústria sem números é uma indústria desempoderada. Diante desta realidade e do crescimento consistente das plataformas digitais, uma de nossas prioridades para 2019 será um estudo ainda mais aprofundado da produção musical brasileira e do perfil do produtor independente local.”
(Carlos Mills, Presidente da ABMI – Associação Brasileira da Música Independente).

WINTEL 2018 para impressão e visualização online:

 WINTEL está disponível para impressão e online em www.winformusic.org.

Para mais informação:

Andy Saunders

Velocity Communications
Tel: + 44 (0) 7939 133050
[email protected]

 

Sobre WIN

Worldwide Independent Network (WIN) é a entidade que coordena Associações Internacionais de Música Independente, representando o mercado de música gravada ao redor do mundo. Lançada em 2006 em resposta ao negócio global e aos desafios enfrentados pelo setor independente, a WIN advoga coletivamente, instiga e facilita em favor de seus associados. www.winformusic.org

Reformas dos Direitos Autorais na União Europeia preservarão o ecossistema criativo

Helen Smith Executive Chair, Impala — The Independent Music Companies Association, Brussels, Belgium

Criadores e cidadãos desfrutam de uma relação única online. Como companias de música independente, vemos criadores, usuários e plataformas como partes essenciais de um incrível ecossistema criativo.

Recentemente ouvimos da Susan Wojcicki, CEO do Youtube, que deveríamos nos amedrontar com as diretivas sobre direitos autorais propostas pela União Europeia (“A União Europeia deveria mudar seus planos irreais sobre direitos autorais”). Longe de ameaçar nosso ecossistema, no entanto, as diretivas vão clarear as coisas, de forma mais justa e sustentável para todos. Como o próprio Financial Times comentou no editorial de julho, a reforma é realmente necessária.

Primeiro, ela confirma o que as cortes europeias já disseram. Esclarece que a responsabilidade não pode recair apenas sobre o usuário e o dono do conteúdo, mas também sobre as plataformas que dão acesso ao trabalho. Essa é a parte clara. A diretiva também trata do abismo de valor – a diferença entre o valor econômico produzido por um trabalho artístico ou uma música, e o dinheiro que retorna a seu criador. As plataformas terão que praticar as mesmas regras. Não mais transações do tipo “pegar ou largar”. Mesmas regras para todos, isso em relação à justiça.

Estamos preocupados com que as novas diretivas tirem nossos empregos? Não. Pelo contrário, o aumento da remuneração para trabalhos criativos disponibilizados nas plataformas tornará mais fácil para os artistas e seus parceiros prosperarem. Tememos que as plataformas vão lidar apenas com empresas grandes? Não. As diretivas nivelam o campo de forma que todos possamos negociar num ambiente de licenciamento normal. É assim que se cria um ecossistema sustentável para todos. Isso inclui os artistas que você ainda não escutou.

Para o Youtube e outras plataformas, há uma quantidade de salvaguardas nos muitos textos que estão sobre a mesa. Agora precisamos deixar que os tomadores de decisão cheguem a um acordo sobre a receita final para atingir o equilíbrio. Não se deve tratar de proteger o modelo de negócio de uma única plataforma. Os números recentes do Youtube estão desenhados para ofuscar, mas os resultados dos nossos associados mostram que para cada 1 EURO do Youtube, o Spotify paga 10 EUROS.

Esta diretiva levou anos sendo elaborada – os tomadores de decisão sabem quais são as respostas. Agora podemos agir rápido e nem precisamos destruir modelos. Não vamos nos distrair. Vamos tornar o mundo online mais claro, mais justo e mais sustentável para todos.

Helen Smith Executive Chair, Impala — The Independent Music Companies Association, Brussels, Belgium

Helen Smith Executive Chair, Impala — The Independent Music Companies Association, Brussels, Belgium
Helen Smith Executive Chair, Impala — The Independent Music Companies Association, Brussels, Belgium

Fonte: https://www.ft.com/content/27b4d7c4-e76a-11e8-8a85-04b8afea6ea3

Abertura de Capital do Spotify: o que devemos saber?

Com vistas à abertura de capital na bolsa de valores de Nova York, o Spotify publica documento com informações relevantes ao mercado.

Com vistas à abertura de capital na bolsa de valores de Nova York, o Spotify publicou um documento sobre o Direct Public Offering (DPO) que oferece a visão mais detalhada, até o momento, das negociações atuais e das projeções futuras do Spotify. Estamos separando os dados para obter informações mais pontuais e algumas surpresas.

– O Spotify encerrou 2017 com 159 milhões de usuários ativos mensais, incluindo 71 milhões de assinantes premium, um crescimento de 29% e 46% respectivamente ano-a-ano. Em média, cada usuário ativo usa o streaming por 25 horas de conteúdo (música e vídeo) por mês – pouco menos de 4 bilhões no total de horas mensais e 40,3 bilhões em 2017 no geral. “Historicamente, nossos assinantes premium usam o streaming três vezes mais que os usuários financiados por anunciantes”, observou o Spotify.

– As receitas do Spotify cresceram fortemente de 2.95 bilhões de euros (€ 2.95bn) em 2016 para 4.09 bilhões de euros (€ 4.09bn) em 2017. No entanto, as suas perdas líquidas aumentaram também: 539 milhões de euros em 2016 para 1,24 bilhões de euros em 2017. A perda operacional do Spotify cresceu ainda: 349 milhões de euros em 2016 para 378 milhões de euros em 2017. A empresa já pagou mais de 8 bilhões de euros aos titulares de direitos de música desde o seu lançamento. Suas assinaturas premium representaram pouco menos de 90% de suas receitas no ano passado.

– O Spotify alega que, em 2017, teve uma quota de mercado global de 42% com base nas receitas. Isso inclui uma participação de 41% nos EUA, 42% no Brasil e 59% no Reino Unido (seus três maiores países por usuários ativos mensais) e 95% em sua terra natal, na Suécia.

– Falando de divisões geográficas: a Europa representa 37% dos usuários ativos do Spotify – 58 milhões de ouvintes no final de 2017. A América do Norte representa 32% (cerca de 51 milhões); América Latina 21% (33 milhões); e o resto do mundo responde por 10% (16 milhões). No entando, todas essas regiões estão em crescimento: 26%, 23%, 37% e 51% respectivamente em 2017.

– Os novos acordos de licenciamento do Spotify já estão tendo impacto. Em 2017, seu “custo de receita premium” (ou seja, royalties para fluxos por assinantes) representou 78% de suas receitas de assinaturas, contra 84% em 2016. O custo de receita dos anúncios também caiu assim como a porcentagem das receitas publicitárias: de 112% (!) em 2016 a 90% em 2017.

– Uma nova métrica para ser debatido: ​​’Premium Churn’, que é a porcentagem de assinantes que cancelam sua assinatura. A tendência diminuiu nos últimos anos: de 7,5% no quarto trimestre de 2015, para 6% no quarto trimestre de 2016 e 5,1% no quarto trimestre de 2017.

– Outra métrica: ‘ARPU Premium’: o valor médio mensal arrecadado de cada assinante premium. Está caindo: de € 6,84 em 2015 para € 6,20 em 2016 e € 5,32 em 2017. O plano familiar do Spotify é parte disso – cada usuário registrado em um plano familiar conta como assinante único – como sua expansão em alguns mercados emergentes.

– As listas de reprodução organizada e geradas por algoritmos do Spotify agora geram cerca de 31% de toda a audição no serviço, pouco menos de 20% há dois anos. A empresa faz questão disso, é um mecanismo de construção de fãs para artistas, tendo como observação a faixa ‘The Other’, de Lauv, assinada pela AWAL no início de 2017, quando cerca de 70% do seu pico de stream diário, de 750k, vieram de listas de reproduções programadas.

– O Spotify ainda está tornando os cases da sua plataforma gratuita como um funil para suas assinaturas premium: Mais de 60% dos assinantes adicionados desde fevereiro de 2014 começaram pelo acesso gratuito. E há alguns números para as campanhas semanais ‘trial’ do Spotify, que oferecem uma amostra grátis (ou $ 0,99 por três meses) da assinatura premium. Esses trials representaram 27%, 23% e 20% dos assinantes premium adicionados em 2015, 2016 e 2017, respectivamente.

– Nos últimos três anos, o Spotify gastou 739 milhões de euros (€739m) em pesquisa e desenvolvimento, com um aumento de 91% em 2017. A empresa também gastou 1,15 bilhões de euros (€1.15bn) em vendas e marketing durante esse período. O arquivo também descreve o rápido aumento no departamento pessoal do Spotify, de uma média de 2.084 funcionários em tempo integral em 2016 para 2.960 em 2017 – um ano em que pagou 348 milhões de euros (€348m) em salários e benefícios.

– Os mercados emergentes podem ser a próxima grande dor de cabeça do Spotify – mas um para cada serviço de streaming? “Na Ásia e na América Latina, estamos vendo uma movimentação distante das licenças vindo das sociedades arrecadadoras, que está levando a um cenário fragmentado de licenciamento de direitos autorais”, observou os arquivos do Spotify, referindo-se a editores e compositores escolhendo não se representar por sociedades arrecadadoras.

– Spotify enxerga o potencial do Facebook ser, em última análise, um rival e não um parceiro. “Se os operadores conhecidos da mídia digital, como o Facebook, optarem por oferecer serviços concorrentes, eles podem dedicar recursos maiores do que temos disponíveis, ter um prazo mais acelerado para implantação e alavancar suas bases de usuários existentes e tecnologias próprias para fornecer serviços que nossos usuários e anunciantes podem ver como superiores”, alerta, reconhecendo, na seção de risco dos arquivos, que seria esperado lançar na sua rede ampla de maneira pessimista.

Outros jornalistas vêm analisando outros detalhes da abertura de capital, incluindo como a sua listagem direta funcionará; os mecanismos através dos quais os fundadores Ek e Martin Lorentzon manterão o controle; e o papel desempenhado no período anterior ao DPO por acionistas com dívida convertível do Spotify.

Com essas informações é possível até ter uma visão da avaliação da Tencent Music com base na troca de ações (stock swap) com o Spotify (US$ 12 bilhões, caso você queira saber). Os investidores vão ficar de olho nisso e muito mais até o Spotify finalmente abrir seu capital e aparecer listado como SPOT na Bolsa de Valores de Nova York, provavelmente no final deste mês.

Para mais informações sobre este artigo e ajuda com campanhas digitais, favor entrar em contato com [email protected]